Evo Morales pede que caso FIFA seja discutido durante a Cúpula CELAC-UE

Fonte: Auca en Cayo Hueso

 

Evo Morales, presidente da Bolívia
Evo Morales, presidente da Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu que o caso de corrupção na Federação Internacional de Futebol (FIFA), seja incluído na agenda da Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e do Caribe (CELAC) e União Europeia (UE), que se realiza entre 10 e 11 de Junho em Bruxelas.

Morales enfatizou que não se pode ignorar a crise que atravessa o organismo desportivo “porque não é possível que o dinheiro do mundo seja tão mal administrado e mais ainda com semelhantes acusações de corrupção”. “Eu não entendo como é possível… Peço à Cúpula UE-CELAC que inclua em sua agenda (o assunto); esse deve ser um ponto de debate”, disse.

O presidente boliviano também lamentou a reeleição de Joseph Blatter, ocorrida em Zurique na última sexta-feira, em meio ao escândalo de corrupção. “Blatter ganhou, mas o futebol perdeu”, assegurou.

O presidente do Equador, Rafael Correa, também se pronunciou sobre o caso e qualificou como terrível e extremamente doloroso para a América Latina o escândalo de corrupção na FIFA.“Minha opinião: é algo terrível e extremamente doloroso, porque os sete detidos são da América Latina e do Caribe; é uma vergonha para a região”, assinalou o presidente.

A justiça dos EUA anunciou na quarta-feira passada a imputação de várias autoridades da FIFA por corrupção, entre eles o uruguaio Eugenio Figueredo, o brasileiro José Maria Marín, o constarriquense Eduardo Li, o venezuelano Rafael Esquivel, e o nicaraguense Julio Rocha. Os promotores dos EUA afirmaram que a prisão dos dirigentes constitui-se em uma verdadeira “Copa do Mundo da Fraude”.

Em coletiva de imprensa, o chefe da Seção de Investigações Criminais da Direção Impositiva (IRS) dos EUA, Richard Webber, assinalou ainda que: “hoje nós estamos mostrando o cartão vermelho” para a expulsão desses dirigentes.

 

fifa_1312221977_1312221977

 

Tradução Juliana MSC

Escândalo da Fifa bate às portas da Globo

Por Fernando Brito

 

Loretta Lynch
Promotora norteamericana Loretta Lynch

 

A moça aí da foto é Loretta Lynch, promotora dos EUA que chefia as investigações sobre o escândalo da Fifa.

No destaque, o gráfico exibido hoje, dizendo que emissoras de televisão e patrocinadores pagavam a empresas de marketing esportivo e elas transferiam como propina parte do dinheiro aos dirigentes do futebol mundial.

Só a velhinha de Taubaté, personagem do Veríssimo, há de acreditar que as empresas que usavam as empresas de marketing não sabiam que estes eram intermediários da roubalheira.

Segundo The New York Times, Loreta diz:

“Estes indivíduos e organizações estavam  envolvidas em suborno para decidir quem iria transmitir jogos, onde terão lugar os jogos, e quem iria dirigir a organização supervisionando futebol organizado a nível mundial”.

Um dos mais importantes era José Hawila, que já confessou os subornos a Ricardo Teixeira na venda do patrocínio da Seleção à Nike e nas negociações de direitos televisivos, através de sua empresa Traffic, sediada em Miami. Parte deles em parceria com a Kelfer, empresa do também ex-radialista Kleber Leite.

Diz o UOL:

“A investigação realizada pela Procuradoria de Nova York descobriu que o ex-presidente da CBF José Maria Marin seria um dos cinco beneficiários de uma propina de US$ 110 milhões (R$ 346 milhões, na cotação desta quarta-feira, 27) pagos pela empresa uruguaia Datisa, criada pela Traffic e por outras duas agências de marketing para negociações de direitos de transmissão da Copa América.”

Ora, os direitos televisivos da Copa e das outras competições mencionadas no relatório do Departamento de Justiça foram adquiridos, quase todos, por quem?

Ganha uma moeda de um centavo quem disse Rede Globo de Televisão.

Mas, calma.

Quem sabe uma funcionária do Departamento de Justiça, assim como aconteceu com aquela moça da Receita Federal, resolva pegar o processo lá nos Estados Unidos, botar dentro da bolsa e dar sumiço nele?