Realiza-se, em Bruxelas, a II Cúpula UE-CELAC

EU-CELAC-2015

A presidenta Dilma Rousseff viajou no começo da tarde de hoje para Bruxelas, na Bélgica, onde participa da II Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos – a CELAC – com países da União Europeia.

A Cúpula UE-CELAC tem o objetivo de aproximar posições políticas desses países em torno de questões da agenda global – como as mudanças climáticas e os direitos humanos – além, é claro, de impulsionar as relações comerciais entre eles.

Alguns acordos comerciais já assinados por 26 dos 33 países da CELAC com a União Europeia também serão abordados pelos representantes de cada país durante esta cúpula, que vai até a próxima quinta-feira, dia 11.

Este segundo encontro entre as duas grandes regiões, depois de janeiro de 2013, no Chile, vai ocorrer sem a presença de alguns de seus protagonistas, como o presidente cubano Raúl Castro, a argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro. Pelo lado europeu, estão confirmadas as presenças do presidente francês, François Hollande, dos chefes de governo britânico, David Cameron; da alemã, Angela Merkel, e do premiê grego, Alexis Tsipras, que é ligado a vários governantes latinoamericanos.

Tsipras deve buscar a solidariedade da CELAC para os muitos problemas que a Grécia enfrenta por conta da dívida que chega aos 180% do PIB grego. Dentro da CELAC, a Argentina é a que tem o maior problema, já que está em conflito com fundos especulativos por uma dívida não reestruturada que vem desestabilizando, já há algum tempo, a economia do país.

Assim como em 2013, a UE procura estreitar suas relações com os países da CELAC, região que possui investimentos europeus equivalentes aos do bloco formado por Rússia, China, Índia e África do Sul juntos, um montante em torno de 500 bilhões de euros. Segundo o escritório de estatística Eurostat, os países da CELAC juntos, estão em quinto lugar em parcerias comerciais na região, atrás dos Estados Unidos, China, Rússia e Suíça.

Ao esforço por um diálogo político, se somam também alguns dos chamados desafios globais, como as questões ambientais e problemas comuns como o tráfico de drogas. O objetivo também é buscar alguns consensos antes da Conferência sobre o Clima, que vai ocorrer em dezembro deste ano em Paris, e também a Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas, que está prevista para 2016.

Mas são os temas comerciais, claro, o grande destaque na agenda da cúpula. Chile e México, por exemplo, que já possuem acordos comerciais assinados com a UE desde o ano 2000, darão andamento às negociações para incluir inovações em diferentes setores. Já o Equador, que assinou com a UE no ano passado um tratado comercial para se incorporar ao Acordo Multipartes, também assinado por Peru e Colômbia, deve ajustar apenas alguns detalhes.

Ainda assim, na sua chegada ao aeroporto de Bruxelas, o presidente equatoriano, Rafael Correa, declarou à imprensa que pretende propor os cinco eixos da CELAC como uma agenda de trabalho até 2020 também para a UE.

O primeiro deles, segundo Correa, é a luta contra a miséria e a injustiça social. O segundo eixo é o trabalho em temas como educação, ciência e tecnologia. O terceiro ponto refere-se ao meio ambiente. O quarto eixo está vinculado ao financiamento conjunto para o desenvolvimento e o quinto eixo, já acordado pela CELAC e que Rafael Correa pretende propor aos membros da UE, é ajustar iniciativas conjuntas com vistas à cúpula sobre mudança climática em Paris.

As Cúpulas UE-CELAC, que reúnem dirigentes europeus e latinoamericanos e do Caribe, são os principais fóruns de diálogo e cooperação entre essas regiões e acontecem em Bruxelas, capital de fato da União Europeia e a maior área urbana da Bélgica.

O tema escolhido para a cúpula deste ano é “Construir o nosso futuro comum: trabalhar para criar sociedades prósperas, coesas e sustentáveis para os nossos cidadãos”.

O Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai presidir a Cúpula, declarou que espera a participação de 61 Chefes de Estado e de Governo.

A primeira Cúpula UE-CELAC ocorreu em Santiago do Chile, em janeiro de 2013 e gerou vários acordos comerciais e de investimentos em áreas voltadas às qualidades social e ambiental dos países das duas regiões.

Esta cúpula poderá ser o cenário também para um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. Em maio, Dilma e o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, disseram que o fechamento do acordo tarifário entre os dois blocos é prioridade para o grupo sul-americano.

Com agências

Ouça abaixo a nota do Cultura Notícias Internacional, da Rádio Cultura FM:

Abaixo, reportagem da TeleSur:

Anúncios

STELLA CALLONI / Fuerte respaldo a Cristina, ante intentos golpistas.

El odio, el agravio y la infamia se los dejamos a ellos escribió hoy la presidenta, Cristina Fernández de Kirchner, en su cuenta de Facebook, en referencia a los responsables de ataques judiciales y mediáticos contra su gobierno que hoy tuvieron una fuerte respuesta también por las redes sociales, en las que se denuncian intentos golpistas.

El hashtag TodosConCristina encabeza la tendencia en las redes sociales desde las últimas horas cuando miles de usuarios manifestaron su apoyo a la presidenta a través de twitter y facebook, publicando fotos y mensajes de solidaridad.

Se expresaron así contra la decisión del fiscal Gerardo Pollicita de dar curso a la causa que impulsaba el fallecido fiscal Alberto Nisman contra la mandataria y otros funcionarios por supuesto encubrimiento por el caso de la Asociación Mutual Israelita Argentina (AMIA).

La denuncia de Nisman del pasado 14 de enero, no tiene ningún sostén judicial, no se basa en ninguna prueba real, sólo en prejuicios y especulaciones que aluden a dichos de segundas y terceras personas que ni siquiera son funcionarios ni tienen ningún tipo de responsabilidad sobre la política exterior argentina o iraní, señaló Julián Bruchstein en Página 12. Y lo mismo puede decirse de la imputación de Pollicita.

Ante esta situación, Fernández de Kirchner manifestó en su mensaje de hoy que el odio, el agravio, la infamia, la calumnia se los dejamos a ellos, nosotros nos quedamos con la Asignación Universal por Hijo, con las jubilaciones, con el matrimonio igualitario, con la ampliación de derechos, con los convenios colectivos de trabajo, con el mejor salario mínimo, vital y móvil de toda la historia, con la industria nacional, con las inversiones en infraestructura, con la educación, con las universidades, con los científicos, con las escuelas, con los chicos, es decir, los logros de su gobierno.

Miembros del gobierno criticaron la decisión de Pollicita. El titular de Autoridad Federal de Servicios de ComunicaciónAudiovisual (Afsca), Martín Sabbatella, sostuvo que la imputación a la presidenta es una escalada antidemocrática gravísima y evidente, y que los sectores conservadores del país tienen el plan de desestabilizar al gobierno y para ello cuentan con los servicios de lo peor del Poder Judicial y de la mayor corporación mediática.

Sabbatella, también dirigente de Nuevo Encuentro, señaló que este es el gobierno que más hizo y hace por el esclarecimiento del tremendo atentado terrorista a la AMIA, y el hecho de que (Fernández de Kirchner) sea acusada de encubrimiento, solo se explica por la desesperada búsqueda de esos sectores reaccionarios de demoler a la actual presidenta y aislarla de la sociedad.

Calificó la denuncia de Nisman como un verdadero mamarracho jurídico carente de pruebas, y sostuvo que la imputación de Pollicita es “parte de la misma campaña golpista de quienes promueven la marcha del 18 de febrero. Por eso, queda claro que esta medida es una acción más del golpe judicial que está en marcha, advirtiendo que hoy más que nunca hay que respaldar a la democracia frente al avance golpista de las corporaciones.

El presidente de Ecuador, Rafael Correa, externó su apoyo a su par argentina al conocer esta imputación judicial sin consistencia, que atribuyó a un nuevo capítulo de la restauración conservadora que ahora utiliza hasta las instancias jurídicas para tratar de desestabilizar a los gobiernos progresistas de nuestra América.

Ya no hay golpes militares, ya no hay golpes legislativos, ahora hay golpes judiciales, dijo Correa, quien manifestó todonuestro apoyo, nuestro corazón con Cristina, que enfrenta un nuevo intento de desestabilización,

Contra la marcha del 18f

En medio de una fuerte tensión por las denuncias de un intento golpista en el país, son cada vez más las voces que rechazan la marcha de un grupo de fiscales, supuestamente en homenaje a Nisman, programada para el 18 de febrero (18F) y que es tomada por la oposición política como un ariete para golpear a la mandataria.

El premio Nobel de la Paz argentino, Adolfo Pérez Esquivel (1980), aseguró que no concurrirá a la marcha porque, dijo, se suman un montón de oportunistas políticos que jamás defendieron los derechos humanos, si bien también pidióresponsabilidad al gobierno. Consideró que dirigentes opositores que rechazan los derechos humanos, ahora se suben al mismo caballo para sacar réditos políticos. No voy a participar, no tengo ningún interés. Esta marcha es campaña electoral, sostuvo.

Más de 70 fiscales anunciaron que tampoco se sumarán al 18F y señalaron en un texto público la certeza de que la desaparición física del fiscal Nisman no entorpecerá el avance de las investigaciones tendientes a determinar la responsabilidad de los autores intelectuales y materiales del atentado a AMIA

Consideraron que la mejor y más sincera forma de demostrar nuestro respeto por quien ya no está entre nosotros y por sus familiares, es manifestar nuestra colaboración, personal y profesional, a la Fiscal Viviana Beatriz Fein -a cargo de la investigación de la causa del deceso- y a los fiscales que continuarán interviniendo en los casos en los que Nisman trabajaba. A la vez, recordaron los deberes hacia los familiares de las víctimas del atentado contra la mutual judía AMIA, en 1994.

Ante la convocatoria de algunos fiscales para el 18F, y el oportunismo político opositor, un grupo de escritores, académicos y profesionales encabezados por el dramaturgo Roberto Tito Cossa, entre los que se encuentran Mempo Giardinelli, Noe Jitrik, Tununa Mercado, Ricardo Forster, Jorge Bernetti, Eduardo Aliverti y otros, llamaron a firmar y divulgar un manifiesto en contra de toda forma de violencia, incluso la aparentemente sutil y subliminal, como la que se incita desde el terrorismo periodístico disimulado, la financiera, la empresaria y/o cualquier otra. Repudiamos todo intento de desestabilización institucional.

Asimismo, exigieron que se cumplan las leyes, todas, sin chicanas ni cautelares como la que es costumbre disponer en beneficio de los poderosos, sean personas o grupos empresariales.

En el manifiesto llamaron parodi democraticista a la decisión de un pequeño grupo de fiscales, desprestigiados casi todos, apadrinados por los medios hegemónicos, en la convocatoria a una marcha a todas luces sectaria y provocadora y rechazaron el siempre renovado oportunismo de dirigentes políticos capaces de todo tipo de servilismos a gobiernos extranjeros, y a irritantes violencias verbales.

Stella Calloni/ La Jornadai

Cristina Kirchner intervém no BAnco Central e rebaixa o dólar em 21%

(De Buenos Aires, por FC Leite Filho)

– Cristina está “flaquita”, como dizem os argentinos. Nestes últimos meses, baixou ao hospital três vezes, por problemas vários de saúde, nenhum grave mas todos relativamente preocupantes. Mas a mulher é uma fera e, ainda da Clínica Otamendi, de onde teve alta no domingo, depois de passar uma semana internada por causa de uma bacteremia, ela ordenou um arrastão contra os doleiros graúdos, ou seja, grandes bancos, financeiras e agências de câmbio, que fez a verdinha baixar 21% diante do peso.

No que poderá se tornar um bom exemplo para sua colega brasileira, Dilma Rousseff, também assediada desde a campanha pelas manobras desestabilizadoras da Bolsa brasileira, a operação atingiu seu ápice na terça-feira, 11 de novembro.

Federalda AFIP (Receita), munidos de ordem judicial, invadiram 71 sedes de bancos, casas de câmbio e financeiras na capital federal, província de Buenos Aires, Mendoza e Córdoba, com o fim de averiguar denúncias de lavagem de dinheiro e “evasão impositiva” de 120 milhões de pesos.

Segundo o vice-diretor Nacional de Grandes Contribuintes, Fabián de Risio, a manobra dessas entidades infratoras, “consistia em investimentos através de títulos públicos por parte de empresas que não podem justificar os fundos nem tampouco os têm”. Ele ainda explicou que a operação da AFIP (Administración Federal de Ingresos Públicos) começou “com ações de controle e cruzamento dos sistemas. Tais ações detectaram quatro empresas que operaram com títulos de 120 milhões de pesos, através de sociedades da Bolsa, mostrando inconsistências fiscais”.

A manobra fazia parte de um plano dos altos doleiros associados às grandes financeiras, patrocinadoras dos meios hegemônicos de comunicação, em forçar uma maxidesvalorização, o que fez que o dólar aumentasse 15,95%, no paralelo (anteontem, foi rebaixado para
12,65).
Os governos nacionais anteriores aos Kirchner costumavam dobrar-se a estas pressões e efetuar maxidesvalorizações, provocando enormes rombos na economia.
A saída clássica era recorrer a vultosos empréstimos a bancos internacionais, na base de draconianas medidas fiscais, que sempre implicavam sacrifícios para os trabalhadores, aposentados e assalariados em geral.
Era uma velha manobra destinada à repatriação de divisas, com a qual colaborava o Banco Central, mesmo sob a presidência do atual governo, caracterizado pela defesa dos interesses nacionais.

Presidenta denuncia o seu BC – Cristina decidiu enfrentar o bicho-papão e denunciou que, desde 1982, se acumulavam expedientes no BC contendo investigações sobre irregularidades e manobras fraudulentas em bancos e financeiras.
A presidenta recordou que aquelas investigações haviam realizado operações em “grutas” (cuevas), onde havia pessoal de segurança prestando serviços e também executivos, os quais,a partir do Banco Central, diziam que lhes tinham avisado dos processos.
Ao mesmo tempo, o novo presidente do BC, Alexandre VAnoli, o chefe de gabinete Jorge Capitanich e o ministro da Ec onomia Axel Kicillof se juntaram com os principais agroexportadores da soja e outras oleaginosas. Tais autoridades lhes solicitaram que acelerassem a liquidação das vendas, retidas nos últimos meses justamente à espera da dita maxidesvalorização.

O presidente do Banco Central, Juan Carlos Fábrega, sentiu-se pressionado e renunciou, em primeiro de outubro, assumindo em seu lugar o presidente da Comissão Nacional de Valores, Alexandre Vanoli, mais identificado com o modelo nacional de desenvolvimento autônomo, liderado pelo atual governo desde 2003.
A reação dos doleiros não se fez esperar e no último dia 24 de setembro o dólar disparou em 15,95%. Não obstante, uma ação conjunta da AFIP, BC e outros organismos de controle governamental, resultou na vistoria in loco daquelas 71 entidades financeiras, incluindo o Banco Mariva, que sofreu intervenção, por comprovada ação fraudulenta..
Enquanto isso, a presidenta se internava na Clínica Ofamenti, no dia dois de novembro, com fortes dores no estômago, a partir das quais se constatou uma inflamação no cólon intestinal, produzido por uma bactéria que vazou para o sangue. Cristina ficaria uma semana na Clínica, da qual recebeu alta, no último domingo, nove de novembro, com recomendações de guardar repouso por dez dias. Já na segunda, dia dez, no entanto, a presidenta determinava o início da operação caça doleiros graúdos, na terça três. Imagine-se se o Banco Central da Argentina fosse independente, como quer a oposição que liderou a chapa contra Dilma no Brasil.

Cordialmente, FC Leite Filho
____________
Veja meu blog:

“Unamo-nos pela Educação Pública”

No dia 23 de setembro de 2014, realizou-se em Buenos Aires, com apoio do INCAA, no cine Gaumon, o encontro da “Internacional da Educação para a América Latina (IEAL)”, encerrando sua campanha “Unamo-nos pela Educação Pública” para a região latino americana. Outras regiões desta Internacional realizaram o encerramento da campanha, começando por Sidney (Austrália), continuando em Nova Delhi (India), Pretoria (África do Sul) e Bruxelas (Bélgica), e concluíram, hoje, a correspondente à América Latina, em Buenos Aires, antes de ir a Nova Iorque. Quatrocentos sindicatos do mundo inteiro, 30 milhões de afiliados de 141 países visam conseguir da ONU uma declaração para o milênio de que a educação não é uma mercadoria, e que o Estado deve garantir a sua sustentação.
Esta reunião contou com a participação massiva de professores congregados pelas organizações CTERA, CTA, Suteba e outros que têm levado uma batalha contínua na defesa do ensino público na Argentina. O ato iniciou com uma apresentação musical da orquestra infanto-juvenil San Francisco Solano Quilmes, uma das dezenas que proliferam nos bairros pobres da Argentina, com a mesma concepção venezuelana do maestro José Abreu, que tem retirado da marginalidade social milhares de crianças. Antes de se iniciarem as apresentações e intervenções das delegações foi veiculado um vídeo com vários representantes da sociedade argentina na defesa do ensino público. Entre os vários representantes internacionais e argentinos intervieram, Fred van Leeuwen, Secretario General de la IE, Sonia Alesso, Secretaria adjunta da CTERA, Fabian Felman (CEAD), Pedro Sanchoren, além de dirigentes sindicais brasileiros como Fátima da Silva (vice-presidenta da IE para A. Latina), Roberto Leal, Gil Vicente Reis de Figueiredo, o cientista político,
Emir Sader, foi convidado e conferencista especial deste evento, por assíduo participante deste movimento e reconhecido defensor do ensino público latino-americano, como se vê no vídeo a seguir (cobertura da TV Cidade Livre, canal comunitário de Brasília), condenando a ideologia mercantilista na educação: “não haverá democracia social enquanto a educação pública não seja hegemônica”. No mesmo, Emir Sader não perdeu a oportunidade para analisar a conjuntura atual no Brasil e fazer a defesa da candidata Dilma Rousseff à presidência da República no próximo dia 5 de outubro, o que contou com ovação do público argentino aí presente. Citou progressos sociais no governo atual, o aumento de universidades realizado desde Lula, bem superior ao período de FHC; e as novas metas de destinação de parte do Pré-sal na educação e saúde; alertou sobre os riscos para o Brasil e o retrocesso que significaria nas políticas públicas, que inclui o programa “mais médicos” (do qual participam médicos cubanos), e as relações internacionais atuais de integração com a América Latina, o advento da candidata Marina Silva (aliada a multinacionais norte-americanas e europeias), que entrou em cena após o suspeitoso acidente aéreo que levou à morte do ex-candidato Eduardo Campos. Ao mesmo tempo, acenou a provável vitória de Dilma Rousseff nas eleições. Veja no vídeo de cobertura da TV CIDADE LIVRE, o Canal Comunitário de Brasília, presente no evento.
Helena Iono
TV CIDADE LIVRE
Parte 1

Parte 2

Argentina na Cúpula do G77 + China e proximas reuniões como a dos BRICs, no Brasil, nos dias 14 e 15 de julho.

Por Helena Iono
Na reunião de Cúpula do G77 + China realizada entre 14 e 15 de junho, em Santa Cruz, na Bolivia, houve uma intervenção importante de Cristina Kirchner, com contundente acolhida de seus pares. Nela, a presidenta repudia o enorme dano causado pelo grande capital especulativo financeiro na reestruturação da dívida soberana dos países.
Isso se deu 1 dia antes do respaldo da Corte Suprema dos EUA, à sentença do juiz Thomas Griesa, de 84 anos, obrigando a Argentina pagar até o dia 30 de junho os especuladores dos chamados Fundos Abutres (buitres), que são os 7% dos credores que não aceitaram restruturar a dívida em 2005 e 2010, como fizeram os restantes 93 %. Isto é, são aqueles como o NML que compraram em 2008 os chamados títulos podres (basura), quando o país se encontrava em crise profunda, como consequência do neoliberalismo do período anterior de Carlos Menem, e ministros da economia como Domingos Cavallo.
Em 2001, a dívida chegou a 160% do PIB. Os títulos podres foram comprados em 2008 pelos fundos abutres à razão de 48,7 milhões de dólares, preço agora inflado por juros astronômicos, que lehs dão um lucro de 1608%, num valor equivalente a 1,5 bilhões de dólares, mais da metade do PIB argentino. Os outros 93% são aqueles que aceitaram a reestruturação e firmaram contratos de menor valor e juros aceitáveis. A pressão que vem de Nova York é de que diante da dificuldade a Argentina não pagasse nada, e que caísse na situação em que fosse declarado o chamado “default técnico” envolvendo-a numa situação político-judicial.
Cristina Kirchner, apoiada no ministro da economia, Axel Kicillof declarou que a Argentina cumprirá a dívida com os credores (os 93%), mas não aceitará extorsão (referindo-se aos especuladores dos Fundos Abutres).
Por isso, solicitou a anulação da sentença judicial de Nova York onde se realizam os pagamentos, o que foi recusado. Para agravar o aperto ao país vizinho, a Corte de novaiorquina ameaçava embargar o depósito enviado pela Argentina como pagamento aos credores não abutres.
Com efeito, no dia 26, o governo argentino enviou 832 milhões de dólares, cumprindo com o contrato com seus 93% de credores, com vencimento de dívida até dia 30, mas esperando negociação posterior sobre os 7% em litígio, com respaldo do judiciário norte-americano. Porém, a estas alturas, o juiz Griesa, não embargou esse dinheiro, mas está impedindo que o Banco de N. York efetue aquele pagamento aos credores.

Já antes, a presidenta havia denunciado que “qualquer conduta que pretenda impedir este pagamento aos nossos credores constitui uma violação da ordem jurídica do direito público internacional”. Este proíbe a coerção a outros Estados em virtude da igualdade soberana, cláusula vigente também nos EUA.”
E comparou que esta “ação ilegal” é como o embargo à Fragata Libertad, ou às 900 ações levadas a efeito em diferentes lugares e países, promovendo a exploração anormal, perversa e extorsiva de um grupo minúsculo de credores em relação a um país soberano.” Ela tem insistido em que pagará a dívida, mas não às custas da soberania nacional, e da redução dos projetos sociais que beneficiam amplos setores da população. Certamente, o debate já gira não só em torno de como pagar a dívida, mas sobre quem a gerou, nominalmente, o atrozes mecanismos do capitalismo selvagem, mais conhecido como neoliberalismo.

A reação popular não demorou. Mobilizações têm sido registradas em várias partes do país, na maioria comandadas pelos movimentos sociais, como La Cámpora, Agrupação Evita, Unidos e Organizados, protestando contra a ilegalidade da sentença do juiz Griesa. No Parlamento, a maioria apoiou a ação governamental.
(Vejam vários rechaços a Griesa no http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-249621-2014-06-28.html

Interessante ver que na Argentina, a presidenta se apoia na TV Pública, e na transmissão em cadeia nacional para explicar didaticamente à população o que significam estas operações especulativas dos “Fundos abutres” e como elas afetam de forma destrutiva a economia do país.
Da mesma forma, o têm feito o ministro da economia, Axel Kiciloff. Enquanto isso, Jorge Capitanich, chefe de Gabinete de Ministros, concede entrevista coletiva, diariamente à primeira hora da manhã, à imprensa sobre as medidas econômicas do governo.
São todos membros do FPV (Frente para a Vitória). Sem contar que os jornais populares gratuitos distribuídos tradicionais no metrô, como “El Argentino”, ou outros como “Página 12” e “El Tiempo Argentino”. Eles sustentam a posição governista contra a guerra mídia hegemônica, tendo à frente os jornais “Clarin” e “La Nación” que atuam de forma lesiva, como sempre, apesar de estar em plena vigência a “Lei da Mídia”, destinada a coibir os abusos dos grupos econômicos que os sustentam.

No plano internacional, a Argentina recebeu apoio contundente da Unasul, Mercosul, dos G77 + China, de países como a França, o México e agora o Brasil. O embaixador Antônio Patriota pronunciou contundente discurso na ONU de apoio à Argentina, quando qualificou a sentença judicial da Corte dos EUA como respaldo legal a um “comportamento irresponsável, especulativo e moralmente questionável” dos fundos de investimento.

A Argentina, com Cristina Kirchner, deu um chute na bola para que o tema fortaleça a unidade anti-imperialista contra o grande capital financeiro, e que medidas como o Banco do Sul, novas moedas alternativas ao dólar, como o Sucre, da ALBA,tomem corpo em reuniões como a dos BRICs (Bloco de países que reúne Brasil, Rússia, Índia,China e África do Sul), convocada para Fortaleza, Ceará, nos dias 14 e 15 de julho. Dela, muito a propósito, participará a presidenta Cristina Kirchner, atendendo a convite especial do presidente russo Vladimir Putin.
Finalmente, A recente oficialização do Banco do Sul (um dos legados de Hugo Chávez), em recente reunião no Equador, criado com 7 bilhões de dólares, o Banco do BRICs, da Russia-China e Irã, são excelentes instrumentos para a desdolarização da economia e para a nova unidade soberana dos povos do mundo.

H.I. é jornalista e produtora da TV cidade Livre de Brasília, Canal 12 da NET.