Missão da Unasul acompanha eleições na Venezuela

A missão de acompanhamento eleitoral da União de Nações Sul Americanas (Unasul) observou de perto, desde as primeiras horas deste domingo (6), no oeste de Caracas, a votação das eleições legislativas venezuelanas.

Foto: Ariana Cubillos / AP

Cidadãos aguardam na fila para entrar em zona eleitoral nas eleições municipais da Venezuela, em 2013.Cidadãos aguardam na fila para entrar em zona eleitoral nas eleições municipais da Venezuela, em 2013.

Continuar lendo

Anúncios

#Venezuela #6D Por que não foi publicado nos meios de comunicação internacionais?

 

A oposição venezuelana participa diretamente e endossou sem objeções as 19 auditorias realizadas até agora no sistema eleitoral tendo em vista as eleições parlamentares no domingo 6 de dezembro. Seus técnicos, especialistas com credenciais inquestionáveis e selecionados pelos próprios partidos da oposição, estão credenciados também para as quatro auditorias restantes, do total de 23 que o Poder Eleitoral estabeleceu para este processo na Venezuela. Esta notícia não foi publicado nos meios de comunicação internacionais.

Continuar lendo

Missão de Acompanhamento Eleitoral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) estará presente em 11 estados venezuelanos

 

Missão eleitoral da Unasul será implantada em 11 estados venezuelanos Um conjunto de 40 especialistas da Missão de Acompanhamento Eleitoral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) estará presente em 11 estados venezuelanos durante as eleições parlamentares, anunciou o coordenador-geral da referida organiza- ção internacional, José Luis Exeni . “Essa será a missão mais importante da Venezuela até o momento”. A delegação visitará o Distrito Capital e os estados de Miranda, Aragua, Carabobo, Vargas, Lara, Bolívar, Monagas, bem como os fronteiriços Táchira e Zulia, “para ter uma visão geral do processo em diferentes territórios”. O acompanhamento eleitoral -de acordo com o Regulamento Geral do Processo da Lei Orgânica de Processos Eleitorais – tem o propósito de presenciar de maneira imparcial e independente a transparência dos processos eleitorais na Venezuela, com respeito à soberania, autodeterminação dos povos e à não ingerência. A realização de informes técnicos e recomendações são tarefas inerentes ao acompanhamento internacional. Exeni ratificou o compromisso da missão de “fazer um relatório tecnicamente impecável”, no qual traduzirão suas observações acerca das diferentes fases do processo eleitoral, incluindo as diferentes auditorias ao sistema automatizado, o treinamento de mesários e a campanha eleitoral. Durante esse tempo eles conversaram com os técnicos das diferentes organizações políticas, “que tem muita confiança e muita certeza sobre a automatização do processo da Venezuela, que tem sido aperfeiçoado, consolidado e auditado em diferentes momentos”. Exeni, que é porta-voz do Supremo Tribunal Eleitoral boliviano, também destacou a necessidade de que os partidos respeitem os resultados. “Mantemos o nosso princípio de que todos nós devemos fazer o nosso melhor para ir a esta eleição de maneira pacífica, garantindo que os cidadãos possam expressar livremente o seu voto, que a divulgação dos resultados também seja tranquila e todos aceitem os resultados”, disse. Acrescentou: “a democracia venezuelana será a única responsá- vel pela maneira soberana de mostrar sua consistência no domingo e é o povo que irá mostrar, esperamos da comunidade internacional sua profunda vocação democrática”.( Fonte: AVN)

Nicolás Maduro tem apoio de 60% da população, apontam pesquisas

O cientista político e presidente da empresa venezuelana de pesquisas Hinterlaces, Óscar Schemel, assegurou que 60% da população prefere que o governo de Nicolás Maduro tome um novo impulso no país ao invés de uma vitória da direita nas eleições parlamentares que acontecem no próximo domingo (6).

 

Telesur

Pesquisas eleitorais mostram crescimento da coalizão de esquerda Grande Polo Patriótico

Pesquisas eleitorais mostram crescimento da coalizão de esquerda Grande Polo Patriótico

 

Segundo Óscar, mais da metade da população aposta na continuidade do modelo de inclusão e justiça social da atual gestão e acredita que este caminho pode consolidar a economia produtiva do país.

O analista afirmou ainda, em entrevista à imprensa local, que apenas 30% da população é a favor de um governo de direita. Explicou que o “chavismo” é um símbolo poderoso que já se consolidou na cultura da Venezuela e a maioria do povo venezuelano está de acordo com as ideias impulsionadas por Hugo Chávez.

Com relação às pesquisas eleitorais realizadas para as eleições de domingo (6), afirmou que as forças de esquerda veem ganhando mais força no decorrer dos dias. Apontou ainda que uma falha da direita é não ter encontrado uma estratégia para conquistar o voto das pessoas mais humildes.


De acordo com dados da empresa de pesquisas Hinterlaces, presidida por Óscar, apenas 30% dos venezuelanos apoiam uma mudança política para a direita

As eleições parlamentares acontecem no próximo domingo (6), quando os venezuelanos vão eleger 167 deputados para o período de 2016 a 2021, destes, três serão representantes das comunidades indígenas. No decorrer do processo eleitoral foram feitas várias simulações eleitorais para garantir segurança e tranquilidade no dia da votação. A Unasul está em missão no país a fim de contribuir para a manutenção da democracia.

Do Portal Vermelho, com informações da Telesur

Venezuela, o povo é protagonista #6D

No próximo 6 de dezembro acontecerão na Venezuela as eleições parlamentares para o período 2016-2021. Será a vigésima eleição no país em 16 anos de democracia participativa na qual o povo é protagonista

Supremo Tribunal venezuelano manterá os resultados das eleições legislativas No processo eleitoral para eleger os deputados da Assembleia Nacional (AN) no próximo 6 de dezembro, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (TSJ), como eixo fundamental do Estado de Direito, resguardará a vontade expressa pelo povo por meio do voto, afirmou sua presidenta, Gladys Gutiérrez.

O Poder Eleitoral é responsável pela execução e o TSJ “na esfera de sua competência estará atento para responder a qualquer situação que seja apresentada a seus órgãos”. Gutiérrez disse estar segura de que a Venezuela continuará seu caminho democrático. Sobre as acusações e intrigas contra a instituição, disse que sempre surgem em tempos próximos de eleições e “se pode ver a intenção de tentar deslegitimar parte do poder público ou toda a institucionalidade a fim de justificar atos de violência”.

Transparência e respeito eleitorais na Venezuela

Um dos pontos fortes do sistema automatizado eleitoral venezuelano é a capacidade de realizar auditorias em cada um de seus componentes. Tal fato evita qualquer receio do uso de meios eletrônicos porque mostra a transparência dos principais processos do sistema.

Os processos de votação, apuração, transmissão, contagem e divulgação dos resultados são auditados pelos técnicos de partidos políticos, com os quais se constrói uma cadeia confiável para certificar, em cada parte do processo, a consistência e integridade dos resultados eleitorais.

Na Venezuela são realizadas aproximadamente vinte auditorias ao sistema eleitoral, entre elas as relacionadas com o Registro Eleitoral, os dados e impressões digitais das eleitoras e eleitores nas urnas de votação, no software da urna, na transmissão dos resultados e no sistema de contagem.

Estas auditorias constituem o que se poderia qualificar como a revisão do núcleo estratégico do sistema e implicam em múltiplos mecanismos de segurança, como a revisão de um registro preliminar para garantir que se cumpra com todos os requisitos e que seja submetido somente a questionamentos e solicitações dos auditores dos partidos; o resguardo ao segredo do voto por meio da compilação aleatória para fazer impossível a reconstrução da sequência e resguardar em segredo a vontade do eleitor; assim como a encriptação dos dados para serem transmitidos ao sistema de contagem, onde auditores dos partidos verificam o correto funcionamento dos algoritmos que foram certificados nas fases preparatórias e, assim, possam ser comparados com dados das atas que estão nas mãos de cada fiscal das mesas de votação.

Para garantir a cadeia de confiança, os técnicos dos partidos constroem uma chave compartilhada para cada um dos processos, que somente pode ser violada se colocam corretamente todas as partes em questão.

 

Com informação de agências e  www.cne.gob.ve

 

 

 

 

()