Coletes Amarelos: Um Movimento Francês?

xcolete-amarelo
Coletes Amarelos / França – Foto: Etienne de Malglaive / Getty Images

 

Por Pedro Augusto Pinho

Desde o início das manifestações que há um mês tomam as ruas de Paris e muitas cidades francesas, com seus coletes amarelos, uma questão está sem resposta. Quem patrocinou? Deu visibilidade, espaço nas comunicações, que possibilitou milhares de pessoas contestarem o Governo Macron?

Movimentos espontâneos são tão prováveis quanto orientações extraterrenas. Uma das boas análises li em Ramin Mazaheri, correspondente na França da imprensa iraniana. Ele mostra que desde as movimentações de 2010, contra a reforma da previdência, a vida dos franceses da classe média, que não são 20%, como no Brasil, mas representam cerca de 50% da população, tem piorado sempre, a cada ano. Quer em relação ao poder de compra de suas receitas – de trabalho ou de negócios – quer em relação a opções de emprego e ausência de clientes e consumidores, quer em relação à carga tributária, nominal e real crescentes. E, além disso, com os novos ônus de um Estado cada vez mais ausente, pelas privatizações e pela redução dos benefícios sociais. Em síntese, estas pessoas tiveram oito anos para refletir sobre as razões de sua desesperança.

Muito se tenta culpar a extrema direita de Marine Le Pen. Mas seu discurso se concentra nos imigrantes que tiram lugar dos franceses no trabalho e nos postos de atendimento público, além de uma “agressão cultural” ao orgulho civilizatório do Império. Os coletes amarelos não são árabes, negros ou imigrantes. É visível pelas imagens em Paris e nas entrevistas por toda França. Logo, se há eleitores do Rassemblement National (União Nacional), não foi sua articulação partidária quem os colocou na rua.

Tampouco a esquerda da França Insubmissa de Jean-Luc Mélenchon, que vem sendo sabotado pela “grande imprensa”. Há sem dúvida eleitores de La France Insoumise, mas não são os condutores da revolta.

Seria o próprio Emmanuel Macron? Eleito com 66% de aprovação, em maio de 2017, tinha apoio de 39% dos franceses em julho/2018, 34%, em agosto, e 29%, em novembro/18, de acordo com pesquisas reportadas pelo Deutsche Welle, e chega agora a 23% , conforme Les Échos.

Ora, seu projeto neoliberal de demolição do Estado Nacional ainda não está completo e seus patrões do Banco Rothschild e outros gigantes das finanças mundiais estão cobrando. Fazer explodir um movimento nacional, com infiltrados agentes depredadores, para justificar a repressão, gera uma situação indesejável e pode ser o caminho para os poderes especiais com que concluiria a encomenda do sistema financeiro (banca).

Mas os Estados Unidos da América (EUA), não da banca, mas do Presidente Trump, não quer uma Europa forte e desafiante. O Brexit, um caos na França, uma oposição à União Europeia na Itália, se espalhando pelo Velho Continente pode ser a oportunidade de tornar vitorioso o American First. A conferir.

Anúncios

TRF4 CONFIRMA CONDENA DE LULA Y DEL PUEBLO BRASILEÑO

Foto: Diego Leão/FPB
Es necesario mirar críticamente la sentencia dada por los jueces de la 8ª Sección del TRF-4. No se trata de defender a Lula, es una cuestión de defender algo mucho más precioso: el pueblo brasileño que está siendo condenado junto a él.
Por Juliana Medeiros
El juicio realizado por la 8ª sección del Tribunal Regional Federal de la 4ª Región (TRF-4), en Porto Alegre, de este miércoles, tenía la tarea de decidir sobre una apelación del equipo de defensa del ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
El recurso era contra la condena de 9 años y 6 meses de prisión en el caso del apartamento (tríplex) del Guarujá, que había sido aplicado al ex presidente el año pasado por el juez Sérgio Moro, responsable de los procesos de la Operación Lava Jato en la primera instancia de la Justicia Federal, en Curitiba (PR).
En la larga sesión, el fiscal del Ministerio Público y los abogados de defensa se manifestaron y luego los tres jueces pronunciaron sus votos. Para el Dr. Cristiano Zanin, abogado de Lula, el juez Moro falló al definir la pena con base sólo en la “narrativa aislada” del ex presidente de OAS, Leo Pinheiro, que fue al final beneficiado (por su delación contra Lula) con la reducción de la pena en la misma sesión.
El relator del caso, juez João Pedro Gebran Neto, no sólo mantuvo la condena como aumentó la pena del ex presidente Lula de nueve años y medio para 12 años y un mes de prisión. Gebran escribió 400 páginas para justificar la condena de Lula, e incluso sugerir el aumento de la pena, sin mencionar una línea sobre el principal argumento de la defensa para el recurso. Durante la lectura de su voto, llegó a decir que habría pruebas “por encima de lo razonable de que el apartamento tríplex desde el principio fue reservado para Lula”, pero al igual que los otros que le siguieron, no mencionó ninguna vez alguna “prueba” .
En consecuencia, el juez Leandro Paulsen, presidente de la 8ª sección del TRF4 y revisor del caso, inició -después del intervalo para el almuerzo- la lectura de su voto, también manteniendo la condena y el aumento de la pena sugerido por el relator. Por último, el juez Victor Luiz dos Santos Laus leyó el último de los tres votos y el presidente proclamó el resultado.
 No obstante, el proceso no se cerrará todavía, ya que hay posibilidades de recursos en la misma instancia. La defensa aún puede recurrir. Aunque todos los recursos en el TRF4 fuesen negados, quedan apelaciones ante el Tribunal Superior de Justicia (STJ, según siglas en portugués) por medio de un recurso especial, y ante el Supremo Tribunal Federal (STF) con un recurso extraordinario.
Es importante recordar también que no hay posibilidad, hasta el momento, que el ex presidente sea arrestado. Lula sólo podría ser detenido después de haber agotado todos los recursos en el TRF4. Esa es también una estrategia del Partido de los Trabajadores (PT) para mantener su candidatura; que será confirmada este jueves (25) durante un acto en Sao Paulo.
Una eventual candidatura de Lula en las elecciones de octubre podría ser impugnada con base en la Ley de Ficha Limpia, que considera inelegibles a aquellos que hayan sido condenados en una decisión transitada en juzgado o proferida por órgano judicial colegiado. Sin embargo, hay una brecha en la ley que permite recurrir a una liminar (decisión provisional), lo que garantizaría el registro de la candidatura.
El ex presidente Lula acompañó el juicio desde la sede del Sindicato de los Metalúrgicos de ABC, acompañado de militantes del PT, MST y Levante Popular de la Juventud.
En varias partes del país se registraron vigilias desde la noche del martes en defensa del ex presidente. También hubo manifestaciones, menores en número, en defensa de la prisión del petista.
Desde el lunes, Porto Alegre registró un fuerte esquema de seguridad, previendo la llegada de más de cuatro mil autobuses con personas oriundas de varios estados del país que llegaron a la capital gaúcha en apoyo a Lula.
Una nota, elaborada por el Frente Brasil Popular (FBP), que reúne a más de 80 partidos y movimientos sociales, y divulgada luego del final del juicio, recuerda que es hora de “continuar en las calles luchando por elecciones democráticas y en defensa de los derechos del pueblo brasileño”.
Lula lidera todas las encuestas electorales de cara a la próxima elección y esa parece ser la principal motivación de la persecución jurídica, un capítulo más en el golpe de Estado que comenzó a tomar forma en el país luego de confirmada la victoria electoral de la ex presidenta Dilma Rousseff en el 2014.
El resultado, ya esperado, del juicio de la apelación de Lula en el TRF4 sólo confirma que el país vive un Estado de excepción. El recado dado por la élite blanca y rica del país es claro: trabajadores, pobres, negros, indios, LGBT y demás grupos minoritarios, no se atrevan a desafiar la fuerza oculta del Estado Capitalista, todos serán aplastados.
Lula no fue condenado por “formar parte de un gran esquema de corrupción”. Temer, Aécio Neves y José Serra son la prueba de ello. Lula necesita ser destruido para que nunca más, surja otro como él. La figura cívica del Lula es una amenaza al establishment y necesita ser humillada y reducida a polvo para evitar el riesgo de que despierten nuevos liderazgos en la pobreza, sea del campo o de las periferias de las grandes ciudades.
La condena de Lula no es para corregir una cultura generalizadamente corrupta, es para fortalecer la cultura corrupta que en Brasil se ha implantado desde la llegada de Cabral, la cultura de que el pueblo es la plebe y debe seguir sirviendo a la corte. Desde entonces, la justicia brasileña practica la frase que debería abrir cínicamente nuestra Constitución: “A los amigos los favores de la ley, a los enemigos los rigores de la ley”.
Lula es un líder popular y un instrumento de la voluntad del pueblo, dentro de los límites de una democracia representativa y estatal. Muchas contradicciones existieron en su gobierno pero fue él el artífice de que empleadas domésticas fueran reconocidas como trabajadoras formales; que habitantes de las ciudades más lejanas del Nordeste contaran con energía eléctrica; que la mujer sea titular de los beneficios sociales del Estado; que fuese ampliado el derecho a la educación universitaria en el país. La derecha descalifica a los beneficiarios de estas políticas como “pan con mortadela” porque no saben lo que es carecer de las cosas más básicas. Incapaz de comprender el dolor del hambre del pueblo.
Como recuerda la nota del FBP, ‘”la hora no es de llanto, sino de lucha”. La decisión sobre Lula es la condena de todo el pueblo brasileño. Y es justamente contra esta guerra -declarada por la justicia, por las grandes corporaciones y por los medios burgueses contra el pueblo- que es hora de luchar. Es mucho más que evidente, que la elección sin Lula es fraude.

Con informaciones de Jornalistas Livres

ARGENTINA – O DEBATE, O ENCERRAMENTO, O QUADRO DE MOBILIZAÇÃO. CRÔNICA DO DIA 3

Fonte: Jornalistas Livres

Por Cobertura Colaborativa Fora OMC
Tradução Juliana Medeiros / Jornalistas Livres

APÓS UMA MANHÃ DE FECHAMENTO DOS FÓRUNS E MESAS DE DEBATE; PARA OUTRO DIA DE UMA COLORIDA MARCHA, RESPONDIDA PELO GOVERNO NACIONAL COM REPRESSÃO E DETENÇÕES; NO TERCEIRO DIA DE ATIVIDADE DE DEZENAS DE FÓRUNS, SEMINÁRIOS E MESAS DE DEBATE, ONDE ATIVISTAS, MILITANTES E PARTICIPANTES DA SOCIEDADE CIVIL CONSTRUÍRAM UMA DINÂMICA DE INFORMAÇÃO SOBRE OS PROBLEMAS GLOBAIS DO CAPITALISMO ATUAL; DEPOIS DE MESES DE COORDENAÇÃO INTERNACIONAL ATIVA EM QUESTÕES LOGÍSTICAS, COMUNICATIVAS, METODOLÓGICAS; APESAR DA REJEIÇÃO DE INGRESSO AO PAÍS DE DEZENAS DE ATIVISTAS INTERNACIONAIS E DO VETO À SAÍDA DE MILITANTES AFRICANOS PARA PARTICIPAR DO INÍCIO DA ASSEMBLEIA DA CONFLUÊNCIA, ONDE SE APRESENTARAM AS CONCLUSÕES DO TRABALHO DA CÚPULA DOS POVOS, FRENTE A UMA DEFINIÇÃO FINAL.

Ao mesmo tempo, outra marcha chega à Avenida de ‘Mayo y 9 de Julio’. É a que foi convocada pela CTEP (Confederação de Trabalhadores da Economia Popular), a CCC (Corrente Classista e Combativa, agrupamento político e sindical argentino promovido pelo Partido Comunista Revolucionário) e a organização ‘Barrios de Pié’ (Bairros de Pé) contra a reforma da lei de previdência, que está sendo discutida no Congresso [Argentino] nesse momento. Cerca de 100 mil pessoas enchem as ruas da área, enquanto as cercas da polícia protegem uma Cúpula da OMC (Organização Mundial do Comércio) que se sabe que vai afundar. Eles não conseguiram assinar um documento conjunto devido à dinâmica protecionista dos Estados Unidos e as negociações para o acordo de livre comércio Mercosul-UE não avançam.

Diante dessa afirmação, os(as) responsáveis por cada fórum realizam diante de uma assembleia com algumas centenas de pessoas, uma síntese do que foi analisado e dos acordos de cada fórum. Em suma, a análise conjuntural ressalta uma nova ofensiva do capital contra o trabalho que se encontra com sindicatos fragmentados na Europa e na América Latina; a geração de monopólios e as consequentes restrições no acesso à saúde com base na globalização das patentes médicas; a tentativa da OMC de se apropriar das demandas das lutas de gênero, ao incluí-las dentro de seus itens de discussão; o papel subordinado das mulheres na economia e o ataque às identidades de gênero e às orientações sexuais; a fragmentação do campo popular e um clima de falta de otimismo; o avanço do aquecimento global e da crise ecológica; o crescente lugar de poder de corporações, agências internacionais de crédito no controle sobre as formas de vida; a repressão como ferramenta central neste momento do capitalismo; a expulsão de povos originários de suas terras, impulsionados pelo agronegócio e o extrativismo, com assassinatos como os de Berta Cáceres¹, Santiago Maldonado² e Rafael Nahuel; o crescimento do aparato militar-industrial que gera um círculo vicioso de necessidade/estímulo à produção de guerras em todo o mundo; o avanço do Estado de Israel sobre os direitos do povo palestino, com uma clara manifestação na definição de Trump esta semana de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel; a ocupação do Haiti e o bloqueio à Cuba; a manipulação dos resultados eleitorais; a definição de várias(os) sobre (e este cronista concorda com ela) uma crise civilizatória, onde as relações estabelecidas pelo sistema capitalista, o patriarcado, o racismo, o tratamento dado à natureza, a manipulação do clima, a democracia e os sistemas atuais de governo atuais chegaram a um momento de tensão que se deve enfrentar, não mais como uma lista de conflitos locais, mas como expressões heterogêneas e imbuídas da necessidade de uma transformação geral do significado com o qual a humanidade habita o planeta.

Diante disso, se propõe uma série de dinâmicas de enfrentamento. Também em síntese restrita, estas são: a aposta pela soberania educacional, para que os povos definam a medida de seus valores, formas e conteúdos; a preparação de uma forte greve de mulheres para o próximo 8 de março; reconhecermo-nos diante dos sistemas de dívida como povos credores em termos econômicos, sociais e culturais, tomando medidas contra o pagamento da dívida pública; compreender as diferentes formas de soberania como complementos que residem nos povos e não nos Estados; construir territórios de paz onde os camponeses, pescadores, artesãos e pastores possam produzir alimentos saudáveis para a humanidade contra o avanço do capitalismo sob a forma de um suposto progresso; a busca de confluências gerais desde abaixo, com a democracia na mesma linha da necessidade de uma resposta sistêmica, de classe, anti-patriarcal e anti-racista.

As contribuições dos fóruns são seguidas por um rascunho do documento, que dá origem a uma discussão sobre determinados conceitos com os quais a síntese é apresentada. A abertura ou o fechamento de certos conceitos, as omissões e a construção de acordos que representem o que foi falado nestes dias são discutidos com franqueza e intensidade. A definição sobre o(s) imperialismo(s) ou o império e o lugar dos Estados Unidos e do sionismo; o chamado a diferentes instâncias de luta no próximo ano; as definições de gênero e os níveis que abarcam, a visibilidade do avanço ou não de determinadas lutas em função de certos conceitos utilizados. O longo debate é resolvido com a intervenção de Norita Cortiñas, recém-chegada da marcha, encarregada de relatar a repressão, a necessidade de fechar o documento e sua tradicional injeção geral de otimismo, alegria e esforço na luta.

Descemos para o pátio, caem gotas de chuva, alguém toca uma música. Se conversa sobre o que aconteceu há algum tempo, nos dias de hoje, do que sempre acontece, do que queremos que aconteça. Pela rua Santiago del Estero cruzam colunas [da marcha] que se dispersam desde o Congresso e cada vez que passam, cantamos com elas. Começam a chegar notícias do gigantesco aparato de repressão mobilizado, da repressão, de novas detenções. Neste contexto, o macrismo aposta por acelerar a reforma da previdência e a mobilização geral e crescente que enche as ruas é finalmente acompanhada pela CGT, obrigada a intervir depois de longos lobbies, piscadelas e acordos com o Estado argentino para o progresso das reformas liberalizadoras. O encerramento da Cúpula dos Povos nesta noite também sinaliza a expectativa de um amanhã, onde a resistência, a rebelião e a esperança mobilizarão a transformação do mundo em que habitamos.

Notas da Edição:

1 – Berta Cárceres: Berta Isabel Cáceres Flores, ativista ambiental Hondurenha, líder indígena e co-fundadora e coordenadora do Conselho Popular de Organizações Indígenas de Honduras (COPINH).Foi assassinada em sua casa por homens armados, depois de anos de ameaças.

2 – Santiago Maldonado: Santiago Maldonado, jovem morador da Patagônia argentina, foi detido em 1º de agosto durante um despejo forçado de um acampamento mapuche – nação indígena – para onde havia se mudado, decidido a apoiar a luta daquele povo originário. Desde então, foi dado como desaparecido e se iniciou uma campanha com apoio internacional por sua aparição com vida. Em 17 de outubro deste ano, seu cadáver foi encontrado próximo ao local em que desapareceu. As investigações sobre as condições de sua desaparição forçada, seguida de morte, continuam. 

3 – Rafael Nahuel: Rafael Nahuel, 22 anos, de Bariloche, foi atingido por uma bala disparada pela repressão das forças de segurança local, durante uma operação contra um ato da Resistência Ancestral Mapuche.

Deputados destacam legado da Revolução Russa

via Blog do Renato Rabelo

SESSÃO SOLENE REVOLUÇÃO DE OUTUBRO - 25-10-2017

A Revolução de Outubro de 1917 foi tema de sessão solene na Câmara dos Deputados

Assim como na Revolução Francesa, a reorganização da sociedade russa adveio dos desejos populares por mais participação, mais democracia, mais oportunidades e menos privilégios às classes dominantes na Rússia do Czar.

Para o deputado comunista Daniel Almeida (BA), muito do que se tem hoje de direitos foram inspirados e construídos a partir da experiência da União Soviética. “Portanto, comemorar 100 anos é resgatar essa possibilidade do novo, do revolucionário. Resgatar o sonho, da utopia se materializar”, enfatizou o parlamentar.

A forte presença das mulheres nas mais diversas lutas da história foi exaltada por Ana Maria Prestes, doutora em Ciência Política e representante da Fundação Maurício Grabois. “Já em 1917, Alexandra Kollontai era na época a única mulher membro do Comitê Central do Partido. E ela deixou uma pauta, uma agenda que nós mulheres do século 21 ainda tateamos. Em pouco tempo, ela fez com que a mulher russa tivesse direito ao aborto, ao divórcio civil, direito ao trabalho”.

Alexandra Mikhailovna Domontovich nasceu, em 31 de março de 1872. Foi figura histórica nas lutas das trabalhadoras russas por seus direitos, contra a exploração capitalista, o conservadorismo e o machismo.

De acordo com a presidente nacional do Partido Comunista do Brasil, deputada Luciana Santos (PE), a atualidade da resistência socialista está demonstrada na incapacidade do capitalismo de resolver as mazelas da desigualdade. “Nós vivemos o mundo da guerra, da concentração de renda, de bilhões que vivem abaixo da linha da pobreza. De um mundo em que o capital especulativo representa três vezes o PIB (Produto Interno Bruto) de todas as nações”.

“É um sistema que vem perdendo na geopolítica a sua força unipolar e criando vários pólos, entres eles a experiência do socialismo nos países em que esse está se desenvolvendo. Num momento como esse legados e lições precisam cada vez mais ser afirmadas”, disse Luciana.

O surgimento do socialismo alimentou no Brasil e no mundo a esperança de um futuro livre da exploração, da opressão e da miséria. A experiência soviética teve repercussão em todo planeta e impactou a formação dos Partidos Comunistas em todos os países, inclusive a criação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), fundado em 1922.

Entre as ideias poderosas que atravessaram o século passado, o socialismo apresentou ao mundo os princípios para a formação dos direitos sociais e dos trabalhadores. A Revolução Russa de 1917 foi responsável pela ruptura com o capitalismo, apresentando uma nova configuração do Estado que estivesse à serviço e fosse controlado pelo povo.

Fonte: PCdoB na Câmara

VENEZUELA: A DITADURA ONDE O POVO PARTICIPA DAS DECISÕES

Talvez sem o mesmo frisson da promulgação da Constituição Bolivariana de 1999, referendada por voto popular, assim como de outros referendos da era Chávez, a Venezuela promoverá neste domingo, 30/07, a votação para a eleição dos delegados da assembleia nacional constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro.

A direita venezuelana entendeu a morte de Hugo Chávez como uma fenda de oportunidade política para, com patrocínio dos Estados Unidos, golpear a chamada Revolução Bolivariana.

Henrique Capriles, candidato opositor a Maduro, nunca aceitou a apertadíssima derrota eleitoral de 2013 (50,75% x 49,25%).

Desde então, o país foi mergulhado numa onda de violência e guerra econômica.

Os setores empresariais passaram a esconder os produtos das gôndolas dos supermercados para criarem um caos que justificasse alguma intervenção política e a consequente derrubada do governo.

Diante desse desgaste, a direita venezuelana venceu as eleições legislativas de 2015, na qual obteve amplíssima maioria e o pronto reconhecimento dos resultados pelo governo de Maduro.

Mesmo assim, insiste em dizer que há uma ditadura no país.

Conhecida como Arábia Saudita das Américas, a Venezuela somente teve seu contraste social alterado quando os lucros da exportação do petróleo passaram a ser investidos na transformação social do povo, que passou a ter acesso a casas, escolas e à segurança alimentar.

Entretanto, a guerra econômica provocada pela direita foi agravada pela crise internacional do petróleo no início de 2015, pois as divisas obtidas da importação diminuíram com a queda brusca do preço.

Para se ter uma ideia a Venezuela é membro da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

Com o objetivo de restabelecer a paz e criar uma nova matriz econômica que não dependa exclusivamente do petróleo, o presidente Nicolás Maduro convocou a assembleia nacional constituinte, com base nos artigos 347, 348 e 349 da Constituição, cujos 537 delegados serão eleitos neste domingo.

Primeiramente, o eleitor venezuelano votará num universo de 364 delegados em nível territorial, algo equivalente a um delegado municipal se as eleições fossem no Brasil.

Posteriormente, votará em um dos 173 delegados de nível nacional dentre os setoriais temáticos designados para a constituinte: empresários, camponeses e pescadores, pessoas com deficiência, estudantes, trabalhadores, representantes das comunas e dos conselhos comunais e aposentados.

Toda a votação é eletrônica e, terminada, um comprovante do voto é impresso e depositado na urna física, o que proporciona plena possibilidade de conferência, pois a contagem de ambas as urnas deve ser idêntica.

Todavia, sabemos que não adianta explicar para quem não quer entender.

No Brasil, terra mundial do desdém mesmo com prova em contrário, jamais permitirão a mínima compreensão do que se passa na Venezuela.

No primeiro país independente da América do Sul haverá um novo processo constituinte em menos de 20 anos no qual espera-se a participação de mais de 19 milhões de eleitores num país de 31 milhões de habitantes, enquanto aqui a atual Constituição, vilipendiada por um golpe de Estado, já foi emendada mais de 100 vezes sem qualquer participação popular.

Onde é a ditadura chavista-comunista-petrolífera-bolivariana?

Lá, claro.

A única ditadura no mundo onde o povo vota além de eleições periódicas.

Blog Chianéllico

Talvez sem o mesmo frisson da promulgação da Constituição Bolivariana de 1999, referendada por voto popular, assim como de outros referendos da era Chávez, a Venezuela promoverá neste domingo, 30/07, a votação para a eleição dos delegados da assembleia nacional constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro.

A direita venezuelana entendeu a morte de Hugo Chávez como uma fenda de oportunidade política para, com patrocínio dos Estados Unidos, golpear a chamada Revolução Bolivariana.

Henrique Capriles, candidato opositor a Maduro, nunca aceitou a apertadíssima derrota eleitoral de 2013 (50,75% x 49,25%).

Desde então, o país foi mergulhado numa onda de violência e guerra econômica.

Os setores empresariais passaram a esconder os produtos das gôndolas dos supermercados para criarem um caos que justificasse alguma intervenção política e a consequente derrubada do governo.

Diante desse desgaste, a direita venezuelana venceu as eleições legislativas de 2015, na qual obteve amplíssima maioria e o pronto reconhecimento…

Ver o post original 360 mais palavras