Discurso de Raúl Castro Ruz en Naciones Unidas

Discurso del General de Ejército Raúl Castro Ruz, Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros de la República de Cuba, en el segmento de alto nivel del 70 Período de Sesiones de la Asamblea General de Naciones Unidas, el 28 de septiembre de 2015, “Año 57 de la Revolución”.

(Versiones Taquigráficas – Consejo de Estado)

 

Estimados Jefes y Jefas de Estado y de Gobierno;

Distinguidos Jefes y Jefas de Delegaciones;

Señor Secretario General de las Naciones Unidas;

Señor Presidente:

Hace 70 años que, en nombre de los pueblos, los miembros de esta organización suscribimos la Carta de las Naciones Unidas. Nos comprometimos a preservar a las generaciones venideras del flagelo de la guerra y a edificar una nueva forma de relacionarnos bajo la guía de un conjunto de propósitos y principios, que debían augurar una época de paz, justicia y desarrollo para toda la humanidad.

Sin embargo, a partir de entonces, han sido constantes las guerras de agresión, la intervención en los asuntos internos de los Estados, el derrocamiento por la fuerza de gobiernos soberanos, los denominados “golpes suaves” y la recolonización de territorios, que han sido perfeccionados con formas de actuar no convencionales, con el empleo de nuevas tecnologías y esgrimiendo supuestas violaciones de los derechos humanos.

Es inaceptable la militarización del ciberespacio y el empleo encubierto e ilegal de las tecnologías de la información y las comunicaciones para agredir a otros Estados, como también lo es que se distorsione la promoción y protección de los derechos humanos, utilizándolos de forma selectiva y discriminatoria para validar e imponer decisiones políticas.

A pesar de que la Carta nos llama a “reafirmar la fe en los derechos fundamentales del hombre, en la dignidad y el valor de la persona humana”, el disfrute de los derechos humanos continúa siendo una utopía para millones de personas.

Se niega a la humanidad el derecho a vivir en paz y su derecho al desarrollo. Es en la pobreza y la desigualdad donde deben buscarse las causas de los conflictos, generados por el colonialismo y el despojo de las poblaciones autóctonas, primero, y más tarde por el imperialismo y el reparto de esferas de influencia.

El compromiso asumido en 1945 de “promover el progreso social y elevar el nivel de vida” de los pueblos y su desarrollo económico y social, sigue siendo una quimera, cuando 795 millones de personas sufren hambre, 781 millones de adultos son analfabetos y 17 000 niños mueren cada día de enfermedades curables, mientras que los gastos militares anuales en todo el mundo ascienden a más de 1,7 millones de millones de dólares. Con solo una fracción de ese monto podrían solucionarse los problemas más acuciantes que azotan a la humanidad. Incluso, en los países industrializados ya prácticamente desaparecieron las “sociedades de bienestar”, que se nos presentaban como el modelo a seguir. Los sistemas electorales y los partidos tradicionales, que dependen del dinero y la publicidad, son cada vez más ajenos y distantes de las aspiraciones de sus pueblos.

El cambio climático pone en peligro la existencia de la especie humana, y los Estados deben asumir responsabilidades comunes pero diferenciadas ante la inobjetable realidad de que no todos los países somos responsables por igual de lo ocurrido, ni despilfarramos los recursos naturales y humanos en un consumismo irracional e insostenible.

Las consecuencias del cambio climático son especialmente devastadoras en los pequeños países insulares en desarrollo e imponen una tensión adicional a sus frágiles economías. Lo mismo sucede en África, con el incremento inexorable de la desertificación.

Nos solidarizamos con nuestros hermanos caribeños y demandamos que se les dé un trato especial y diferenciado. Apoyamos a los países africanos y reclamamos para ellos un tratamiento justo, transferencia de tecnología y recursos financieros (Aplausos).

Señor Presidente:

Con la creación de la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC) y, particularmente con la firma por los jefes de Estado y de Gobierno, en enero del 2014, de la Proclama de América Latina y el Caribe como Zona de Paz, ha quedado demostrado que, por encima de nuestras diferencias, podemos avanzar hacia la unidad y la consecución de objetivos comunes en el marco de nuestra diversidad (Aplausos).

En la Proclama, reafirmamos el compromiso inquebrantable con los principios de la Carta de las Naciones Unidas y el Derecho Internacional y de resolver las diferencias de forma pacífica, así como la convicción de que el pleno respeto al derecho inalienable de todo Estado a elegir su sistema político, económico, social y cultural constituye una condición esencial para asegurar la convivencia pacífica entre las naciones. Reclamamos que estos principios sirvan de base a las relaciones de otros Estados con nuestra región.

La República Bolivariana de Venezuela contará siempre con la solidaridad de Cuba frente a los intentos de desestabilizar y subvertir el ordenamiento constitucional, y destruir la obra iniciada por el compañero Hugo Chávez Frías (Aplausos) y continuada por el presidente Nicolás Maduro Moros a favor del pueblo venezolano.

De igual manera, va nuestra firme e irrestricta solidaridad a la República del Ecuador, a su Revolución Ciudadana y a su líder, Rafael Correa Delgado, quien se ha convertido en el blanco del mismo guión de desestabilización aplicado contra otros gobiernos progresistas de la región (Aplausos).

Nos solidarizamos con las naciones del Caribe que solicitan justas reparaciones por los horrores de la esclavitud y la trata de esclavos (Aplausos), sobre todo en un mundo en el que la discriminación racial y la represión de las comunidades afrodescendientes han ido en ascenso.

Ratificamos nuestra convicción de que el pueblo de Puerto Rico merece ser libre e independiente, luego de más de una centuria sometido a la dominación colonial (Aplausos).

Nos solidarizamos con la República Argentina en su legítimo reclamo de soberanía sobre las islas Malvinas, Sandwich del Sur y Georgias del Sur (Aplausos).

Reiteramos nuestro apoyo solidario a la presidenta Dilma Rousseff y al pueblo de Brasil en la defensa de sus importantes logros sociales y de la estabilidad del país.

Reafirmamos nuestro rechazo a la intención de extender la presencia de la OTAN hasta las fronteras de Rusia y a la imposición de sanciones unilaterales e injustas contra esa nación.

Saludamos el denominado acuerdo nuclear con la República Islámica de Irán, que demuestra que el diálogo y la negociación son la única herramienta efectiva para solventar las diferencias entre los Estados.

Renovamos nuestra confianza en que el pueblo sirio es capaz de resolver por sí mismo sus diferencias y demandamos que cese la injerencia externa.

Una solución justa y duradera al conflicto del Medio Oriente exige, inexorablemente, el ejercicio real del derecho inalienable del pueblo palestino a construir su propio Estado dentro de las fronteras anteriores a 1967 y con su capital en Jerusalén oriental, lo que enérgicamente apoyamos (Aplausos).

Durante las últimas semanas nos han impactado las imágenes de las oleadas migratorias hacia Europa, que constituyen una consecuencia directa de las acciones de desestabilización que la OTAN promovió y ejecuta en países del Medio Oriente y África del Norte, y del subdesarrollo y la pobreza imperantes en países del continente africano. La Unión Europea debe asumir, de manera plena e inmediata, sus responsabilidades con la crisis humanitaria que ayudó a generar.

Señor Presidente:

Tras 56 años de heroica y abnegada resistencia de nuestro pueblo, quedaron restablecidas las relaciones diplomáticas entre Cuba y Estados Unidos de América.

Ahora se inicia un largo y complejo proceso hacia la normalización de las relaciones, que se alcanzará cuando se ponga fin al bloqueo económico, comercial y financiero; se devuelva a Cuba el territorio ocupado ilegalmente por la Base Naval de Guantánamo; cesen las transmisiones radiales y televisivas y los programas de subversión y desestabilización contra la isla, y se compense a nuestro pueblo por los daños humanos y económicos que aún sufre (Aplausos).

Mientras persista, continuaremos presentando el proyecto de resolución titulado “Necesidad de poner fin al bloqueo económico, comercial y financiero impuesto por Estados Unidos de América contra Cuba”.

A los 188 gobiernos y pueblos que han apoyado aquí y en diversos foros internacionales y regionales nuestra justa demanda, les reitero el eterno agradecimiento del pueblo y el gobierno cubanos por su sostenido respaldo.

Señor Presidente:

Cuba celebra, con profundo compromiso, el aniversario 70 de la Organización de las Naciones Unidas. Reconocemos que en estos años se ha intentado, pero no se ha hecho lo suficiente, para proteger a las generaciones presentes y futuras del flagelo de la guerra y su derecho a un desarrollo sostenible, sin exclusión. La ONU ha de ser defendida del unilateralismo y profundamente reformada para democratizarla y acercarla a los pueblos.

Como señalara en esta misma sala hace 15 años el compañero Fidel Castro Ruz, Líder Histórico de la Revolución Cubana —y cito: “Cualquiera comprende que el objetivo fundamental de las Naciones Unidas, en el siglo apremiante que comienza, es el de salvar al mundo no solo de la guerra sino también del subdesarrollo, el hambre, las enfermedades, la pobreza y la destrucción de los medios naturales indispensables para la existencia humana, ¡Y debe hacerlo con premura antes de que sea demasiado tarde!” —fin de la cita.

Podrá contar siempre la comunidad internacional con la sincera voz de Cuba frente a la injusticia, la desigualdad, el subdesarrollo, la discriminación y la manipulación; y por el establecimiento de un orden internacional más justo y equitativo, en cuyo centro se ubique, realmente, el ser humano, su dignidad y bienestar.

Muchas gracias

(Ovación).

Autor:  internet@granma.cu

Em busca de alternativas de cooperação #UE-CELAC

Fonte: Cuba por Siempre

2cadndice
 A II Cúpula Acadêmica CELAC-União Europeia (UE) começou nesta segunda-feira, a fim de ampliar e aprofundar o espaço para o ensino superior, a ciência, a tecnologia e a inovação.

O encontro, ocorrido antes da II Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe (CELAC)  e UE nos dias 10 e 11 de Junho, incentivou o trabalho conjunto para avançar e consolidar estas iniciativas em matéria de ensino superior.

Neste contexto, Cuba, presente no encontro na capital da Bélgica, clamou pelo reforço na cooperação entre as universidades dos países da CELAC e da UE.

“Queremos transcender da teoria para a prática e que possamos concretizar mais projetos em áreas de interesse comum”, declarou o reitor da Universidade da província cubana de Camagüey, Santiago Lajes Choy, em sua intervenção durante o fórum.

Enquanto a reitora da Universidade Agrária de Havana, Maria Irene Balbín, referiu-se às possibilidades deste encontro para promover a cooperação em ensino superior, a formação de profissionais, a investigação e a inovação tecnológica.

Roberto Escalante, secretário-geral da União de Universidades da América Latina e do Caribe, disse que ambas as regiões têm realidades diferentes, mas existem áreas de interesse comum, como a luta contra as alterações climáticas e pela segurança alimentar.

A Cúpula Acadêmica possibilitou para as comunidades acadêmicas das duas regiões, trabalharem a fim de avançar e consolidar as propostas geradas na Cúpula anterior, realizada em janeiro de 2013 em Santiago do Chile.

Nas linhas traçadas na capital chilena, estão propostos quatro grupos de análise temática, entre eles o fortalecimento da integração birregional dos sistemas de educação superior, que incluem subtópicos como os valores universais e a diversidade cultural. Outra linha é a promoção da integração birregional dos sistemas de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, centrada na universidade como promotora da inovação e da criatividade, com foco no desenvolvimento sustentável.

A cooperação birregional entre as instituições de ensino superior e suas relações com a sociedade, particularmente com o setor produtivo; a inovação e os direitos de propriedade intelectual; são outros dos eixos. Além disso, as tecnologias como facilitadoras e promotoras, bem como o papel social das universidades no século XXI. Da mesma forma, as ligações entre a comunidade acadêmica e as políticas públicas, incluindo aspectos como a educação para a inclusão social: pedagogia pré-escolar e pré-universitária, a formação de professores e a formação permanente.

Os resultados dessas deliberações serão apresentados aos Chefes de Estado e de Governo durante a II Cúpula da CELAC-UE através de um documento que conterá as ideias e propostas da comunidade acadêmica, com vistas a avançar neste espaço comum e consolidar a parceria estratégica birregional.

Esta semana, Bruxelas é o palco onde a região latinoamericana e caribenha, juntamente com a União Europeia, pretendem dar um novo impulso em suas relações, em um contexto muito diferente ao de 15 anos atrás.

Aproximadamente 40 Chefes de Estado e de Governo e delegações de alto nível de 61 países devem participar desta cúpula, que se realiza no Justus Lipsius, sede do Conselho da UE. (Cubaminrex / PL)

Tradução: Juliana MSC

Díaz-Canel defende um diálogo construtivo entre a América Latina e a Europa

Fonte: Gramna

 

EU-CELAC-2015

 

O primeiro vice-presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, disse hoje que existem diferenças e desafios comuns entre a América Latina e o Caribe e a Europa e apelou para um diálogo construtivo entre as duas regiões.

“Há muito tempo a Europa propôs uma relação igualitária para com os países da América Latina e do Caribe, mas nunca realmente chegamos a essa condição de igualdade”, declarou à Prensa Latina.

Portanto, disse ele, cada vez mais as assimetrias e diferenças de desenvolvimento são maiores. Há também diferentes pontos de vista sobre como os países latinoamericanos e caribenhos e os europeus enxergamos os elementos em torno do desenvolvimento, especialmente as políticas a serem implementadas para alcançá-lo.

“Há insatisfação entre as nações de nossa região em relação ao que foi alcançado nesta parceria birregional”, apontou Díaz-Canel, que está em Bruxelas para participar da II Cúpula da Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribenhos (CELAC) e União Europeia (UE), nos dias 10 e 11 de Junho.

Na sua opinião, a Cúpula é o lugar para rever e propor a forma de alcançar e aperfeiçoar este relacionamento. “Estamos em um momento em que vemos que há mais vontade política dos países europeus para termos um diálogo de respeito, não intervencionista, não discriminatório com as nações da América Latina e do Caribe”.

Ele ressaltou que, apesar da existência de muitas diferenças, existem desafios comuns. “Para sobreviver neste mundo tão complexo, é necessária a cooperação birregional e internacional”, disse ele.

Em sua opinião, existe possibilidade de abordar em uma agenda e em um diálogo político e de cooperação, questões como o desenvolvimento sustentável, as questões sociais, de saúde, de segurança pública, os temas migratórios, a luta contra as drogas, como avançar no intercâmbio técnico-científico, educacional, os problemas das alterações climáticas e do meio ambiente.

Tudo isto deve ser levado em conta sem ignorar a dívida histórica que os países europeus tem com a América Latina e o Caribe. “Esperamos chegar a um acordo que possa ser capaz de termos um programa mais realista sobre isso que se tem chamado de parceria birregional”, disse ele.

“O contexto é diferente, desde que se iniciaram este tipo de cúpulas e nessa relação tem ocorrido coisas muito importantes: a América Latina e o Caribe estão integradas na CELAC e a Europa transitou desde 2007 pelo Tratado de Lisboa”, disse ele.

Díaz-Canel expressou que a isso se soma o processo de restabelecimento e posterior normalização das relações entre Cuba e os Estados Unidos. “Nosso relacionamento com a Europa também está matizado por esses eventos que marcam não só a nossa dimensão nacional, mas também a da América Latina e do Caribe e da Europa.”

“Os laços da ilha caribenha com o chamado Velho Continente são históricos. Tem a ver com a nossa história e a nossa cultura, e há até mesmo os laços familiares entre a maior das Antilhas e os países europeus”, disse ele.

O primeiro vice-presidente cubano ressaltou que “tem havido uma relação mais fluida com os países europeus desde que se restabeleceu a cooperação e agora estamos em um caminho importante porque também se restabeleceu o diálogo político para realmente chegarmos a um acordo nesse sentido”.

“Há muitos pontos em comum entre os dois lados em que podemos trabalhar como as mudanças climáticas, o desenvolvimento sustentável, o intercâmbio técnico-científico, estudantil, educacional e as questões de saúde” destacou.

Nós podemos inclusive cooperar Europa-Cuba vinculadas a terceiros países, ou seja, uma relação tripartite em que podemos incluir nações africanas e latinoamericanas. “Nós podemos fornecer recursos humanos e outros poderiam se encarregar de colocar os recursos financeiros e tecnológicos. Isso teria que se julgar, claro, de acordo com o interesse desses países”.

Segundo ele, há um cenário favorável para se chegar a um diálogo construtivo mas tanto a CELAC como Cuba vão à Cúpula esta posição de diálogo construtivo, desde que sua soberania seja respeitada e que não haja ingerência em seus assuntos internos.

“Acho que existem condições para um progresso real, até mesmo mais maduras que em outros momentos e tudo isso será visto nas discussões que ocorrerão na quarta e na quinta-feira em sessão plenária”, acrescentou.

 

Tradução: Juliana MSC

Realiza-se, em Bruxelas, a II Cúpula UE-CELAC

EU-CELAC-2015

A presidenta Dilma Rousseff viajou no começo da tarde de hoje para Bruxelas, na Bélgica, onde participa da II Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos – a CELAC – com países da União Europeia.

A Cúpula UE-CELAC tem o objetivo de aproximar posições políticas desses países em torno de questões da agenda global – como as mudanças climáticas e os direitos humanos – além, é claro, de impulsionar as relações comerciais entre eles.

Alguns acordos comerciais já assinados por 26 dos 33 países da CELAC com a União Europeia também serão abordados pelos representantes de cada país durante esta cúpula, que vai até a próxima quinta-feira, dia 11.

Este segundo encontro entre as duas grandes regiões, depois de janeiro de 2013, no Chile, vai ocorrer sem a presença de alguns de seus protagonistas, como o presidente cubano Raúl Castro, a argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro. Pelo lado europeu, estão confirmadas as presenças do presidente francês, François Hollande, dos chefes de governo britânico, David Cameron; da alemã, Angela Merkel, e do premiê grego, Alexis Tsipras, que é ligado a vários governantes latinoamericanos.

Tsipras deve buscar a solidariedade da CELAC para os muitos problemas que a Grécia enfrenta por conta da dívida que chega aos 180% do PIB grego. Dentro da CELAC, a Argentina é a que tem o maior problema, já que está em conflito com fundos especulativos por uma dívida não reestruturada que vem desestabilizando, já há algum tempo, a economia do país.

Assim como em 2013, a UE procura estreitar suas relações com os países da CELAC, região que possui investimentos europeus equivalentes aos do bloco formado por Rússia, China, Índia e África do Sul juntos, um montante em torno de 500 bilhões de euros. Segundo o escritório de estatística Eurostat, os países da CELAC juntos, estão em quinto lugar em parcerias comerciais na região, atrás dos Estados Unidos, China, Rússia e Suíça.

Ao esforço por um diálogo político, se somam também alguns dos chamados desafios globais, como as questões ambientais e problemas comuns como o tráfico de drogas. O objetivo também é buscar alguns consensos antes da Conferência sobre o Clima, que vai ocorrer em dezembro deste ano em Paris, e também a Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas, que está prevista para 2016.

Mas são os temas comerciais, claro, o grande destaque na agenda da cúpula. Chile e México, por exemplo, que já possuem acordos comerciais assinados com a UE desde o ano 2000, darão andamento às negociações para incluir inovações em diferentes setores. Já o Equador, que assinou com a UE no ano passado um tratado comercial para se incorporar ao Acordo Multipartes, também assinado por Peru e Colômbia, deve ajustar apenas alguns detalhes.

Ainda assim, na sua chegada ao aeroporto de Bruxelas, o presidente equatoriano, Rafael Correa, declarou à imprensa que pretende propor os cinco eixos da CELAC como uma agenda de trabalho até 2020 também para a UE.

O primeiro deles, segundo Correa, é a luta contra a miséria e a injustiça social. O segundo eixo é o trabalho em temas como educação, ciência e tecnologia. O terceiro ponto refere-se ao meio ambiente. O quarto eixo está vinculado ao financiamento conjunto para o desenvolvimento e o quinto eixo, já acordado pela CELAC e que Rafael Correa pretende propor aos membros da UE, é ajustar iniciativas conjuntas com vistas à cúpula sobre mudança climática em Paris.

As Cúpulas UE-CELAC, que reúnem dirigentes europeus e latinoamericanos e do Caribe, são os principais fóruns de diálogo e cooperação entre essas regiões e acontecem em Bruxelas, capital de fato da União Europeia e a maior área urbana da Bélgica.

O tema escolhido para a cúpula deste ano é “Construir o nosso futuro comum: trabalhar para criar sociedades prósperas, coesas e sustentáveis para os nossos cidadãos”.

O Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai presidir a Cúpula, declarou que espera a participação de 61 Chefes de Estado e de Governo.

A primeira Cúpula UE-CELAC ocorreu em Santiago do Chile, em janeiro de 2013 e gerou vários acordos comerciais e de investimentos em áreas voltadas às qualidades social e ambiental dos países das duas regiões.

Esta cúpula poderá ser o cenário também para um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. Em maio, Dilma e o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, disseram que o fechamento do acordo tarifário entre os dois blocos é prioridade para o grupo sul-americano.

Com agências

Ouça abaixo a nota do Cultura Notícias Internacional, da Rádio Cultura FM:

Abaixo, reportagem da TeleSur:

Cronologia das relações entre a UE e a América Latina

Na esteira da realização da II Cúpula CELAC-UE, que acontece entre os dias 10 e 11 de junho em Bruxelas, dando continuidade aos encontros multidisciplinares que Europa e América Latina iniciaram ainda na década de 70 com as conferências entre seus parlamentos, reproduzimos abaixo uma cronologia da relação entre as duas regiões, publicada pelo portal de notícias La Vanguardia:

 

– 1974: Iniciam-se as conferências semestrais entre o Parlamento Europeu e o Parlatino.

– 1975: Criação do grupo ACP (África, Caribe e Pacífico) e assinatura da Convenção de Lomé (UE-ACP).

– 1976: Primeiras atividades de cooperação entre a Comunidade Europeia (CE) e a América Latina.

– 1983: Assinatura do primeiro acordo de cooperação com o Pacto Andino.

– 1984: Em meio à crise da América Central, começa o diálogo político de San Jose entre a CE e a América Central, em apoio ao processo de paz regional.

– 1985: Assinatura do acordo de cooperação CE-América Central.

– 1986: Criação do Grupo do Rio.

– 1987: Primeiro encontro informal, em Nova York, entre a CE e o Grupo do Rio.

– 1988: Cuba é o primeiro país não-europeu do antigo Comecon a estabelecer relações diplomáticas com a CE.

– 1989: A República Dominicana e o Haiti são aceitos como membros da Convenção de Lomé.

– 1990: A Conferência de Roma institucionaliza o diálogo político entre a UE e o Grupo do Rio.

– 1991: Conferência Ministerial inaugural UE-Grupo do Rio em Luxemburgo.

Em março de 1991 é assinado o Tratado de Assunção que cria o Mercosul.

– 1992: Criação do Cariforum. A UE oferece concessões para as exportações dos países da América Central.

– 1993: Marco do Acordo UE-Pacto Andino de terceira geração, que inclui o diálogo político, a cooperação antidrogas e a cláusula democrática.

– 1994: IV Encontro Ministerial UE-Grupo do Rio, que adota uma declaração sobre “parceria estratégica”.

– 1995: Assinatura em Madrid do Acordo de Cooperação Interregional entre a UE e o Mercosul.

– 1996: Assinatura em Florença do Acordo de Cooperação UE-Chile, etapa anterior ao livre comércio.

Naquele ano, a XII Conferência Ministerial de San Jose define novas áreas de cooperação com a América Central, para apoiar a integração regional.

Se realiza a primeira reunião de alto nível entre a UE e o Pacto Andino sobre o combate às drogas.

– 1997: UE e México assinam um Acordo de Associação Econômica, de Concertação Política e de Cooperação, que entrou em vigor em Outubro de 2000.

– 1998: Cuba é aceita como observadora na Convenção de Lomé que integra 71 países da ACP.

– 1999: I Cúpula de Chefes de Estado e de Governo UE-América Latina-Caribe em 28 de junho, no Rio de Janeiro, em que é criada uma Associação Estratégica Birregional.

São aprovados mandatos de negociação de Acordos de Livre Comércio com o Mercosul e o Chile.

– Março de 2000: Assinatura do Acordo Global com o México, que entra em vigor em outubro seguinte.

– Junho de 2000: A UE e os 77 países da ACP, assinam em Cotonou (Benim) um novo Acordo de Cooperação, em vigor desde Abril de 2003.

– Dezembro de 2000: Cuba torna-se o primeiro país da ACP não-pertencente ao Acordo de Cotonou, a ser admitida como membro pleno.

– Dezembro de 2001: A UE aprova o programa de cooperação eletrônica “Aliança para a Sociedade da Informação”, iniciado em abril seguinte, em Sevilha (Espanha).

– Abril de 2002: Reunião Ministerial UE-América Latina e Caribe, em Sevilha. Aprovado o Acordo Global UE-Chile.

– Maio de 2002: II Cúpula Euro-Latinoamericana, em Madrid. Entre as conquistas, a assinatura do Acordo de Associação UE-Chile, os programas Alban de bolsas de estudo para pós-graduação e Alis sobre novas tecnologias. Se abre para a Comunidade Andina de Nações (CAN) e América Central (SICA) a perspectiva de negociar acordos de parceria.

– Junho de 2002: A UE adota uma estratégia de cooperação com a América Central, com ajuda de 444,5 milhões de euros entre 2002-2006.

– Dezembro de 2003: Assinados em Roma os Acordos de Diálogo Político e Cooperação com a América Central e a Comunidade Andina aprovados pelo Parlamento Europeu em Março seguinte.

– Maio de 2004: III Cúpula UE-LAC em Guadalajara (México), a primeira com a UE ampliada em vinte e cinco. Iniciam-se as negociações sobre um Acordo de Parceria Econômica com quinze países do Caribe.

– Dezembro de 2005: Aprovação do SPG Plus (SPG +), que permite a países andinos e centroamericanos exportarem à UE 7.200 produtos sem tarifas alfandegárias até 2008.

– Abril de 2006: A Venezuela anuncia sua intenção de deixar a Comunidade Andina.

– Maio de 2006: IV Cúpula UE-LAC em Viena, que estreitou laços. Se anuncia a abertura de negociações UE-América Central, classificada como “histórica” ​​pelos países centroamericanos.

– Maio de 2008: Lima cedia a V Cúpula UE-LAC e se subscreve a Declaração de Lima que incluiu um programa conjunto sobre alterações climáticas, batizado de “Euroclima“.

– Maio de 2010: Madrid é a sede da VI Cúpula UE-LAC, cujo tema central é a crise econômica. O multilateralismo é defendido e é acordada a Fundação UE-LAC para fortalecer as parcerias entre as duas regiões.

– Dezembro de 2011: Nasce oficialmente em Caracas a Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribenhos (CELAC), em que se consolida tanto o Grupo do Rio como a Cúpula da América Latina e do Caribe (CALC).

– Janeiro de 2013: A VII Cúpula UE-ALC é concluída em Santiago do Chile com o objetivo de incentivar os laços econômicos. Foi a primeira entre as duas regiões desde a criação da CELAC.

– 29 de janeiro 2015: No contexto americano, tem lugar a II Cúpula de Chefes de Estado da CELAC em Belém (Costa Rica). A declaração final expressa a vontade dos países de combater a pobreza e a desigualdade.

– 10-11 junho de 2015: Bruxelas é sede da II Cúpula entre a UE-CELAC.

 

Tradução: Juliana MSC