‘Os filhos da Operação Condor são agora os da Operação Abutre’

Em entrevista, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, denuncia um plano desestabilizador contra os governos populares da América do Sul.

Darío Pignotti

Brasília – Sem protocolo. Enquanto Nicolás Maduro caminha em direção ao portal de vidro do Palácio do Itamaraty, os Dragões da Independência, a guarda de honra brasileira, vestida com capacetes dourados e uniformes do Século XIX, se colocam em formação para despedir os visitantes erguendo suas armas. De boa vontade, o mandatário venezuelano detém sua marcha por um pedido de entrevista para este diário, e responde: “é para o Página/12? Ótimo, deveriam publicar uma edição na Venezuela também”.

Ele acabava de concluir sua participação na Cúpula presidencial do Mercosul com um discurso que reforçou o seu repúdio ao novo tipo de movimento desestabilizador que se ensaia no Brasil, na Argentina e na Venezuela. As presidentas Dilma Rousseff e Cristina Fernández de Kirchner tiveram intervenções durante o encontro onde também abordaram o tema, o que Maduro destaca como “gestos importantes”.

Antes de começar a gravação, o presidente elogiou seus colegas com um tom de voz que levemente ia crescendo, como se, em algum momento, ele sentisse que começava a fazer um discurso do balcão do Palácio de Miraflores, em Caracas. “Valentes! Elas se manifestaram de maneira direta, correta, contra aqueles que querem esmagar os nossos povos. Dignas! Entrego a elas a minha saudação com todo o respeito e afeto. São lutadoras, lutam contra as conspirações, contra as campanhas midiáticas”.

Não porque seja inédita em um subcontinente acostumado a manobras como as que aconteceram na Venezuela, em 2002, e no Paraguai, em 2012, além das tentativas na Bolívia (2008) e no Equador (2010), mas porque é a primeira vez que esse espectro ronda o gigante Brasil, que agora necessita de um cinturão de solidariedade continental.

A conversa com Maduro se deu na porta da chancelaria, a uns 300 metros do Congresso Nacional brasileiro, e a mais ou menos 1,5 quilômetro do Palácio Planalto, onde os telefones não param de tocar.

Isso porque enquanto Dilma recebia seus colegas sul-americanos, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, anunciava sua ruptura com o governo e desarquivava um pedido de impeachment apresentado pelo militar retirado Jair Bolsonaro, reeleito no ano passado com uma plataforma que reivindica a tortura policial e a ditadura, “que nos salvou de ser uma Cuba totalitária, como a que queriam os terroristas que agora estão no Planalto”.

– Existem cada vez mais fantasmas?

– Existem fantasmas, claro. Porque os filhos da Operação Condor, de quarenta anos atrás, são agora os da Operação Abutre, que querem as nossas cabeças. Querem nos fazer desaparecer. Querem acabar com os governos progressistas, os processos de mudança, com os processos populares que construímos na nossa América Latina. Nós, na Venezuela, temos já dezesseis anos de experiência derrotando esses golpes de Estado, derrotando as guerras econômicas, as guerras psicológicas. O que aconteceu em todo esse tempo? Das 19 eleições realizadas no país, nós ganhamos da direita 18 vezes, e este ano vamos ganhar outra eleição (a legislativa, em dezembro), a de número 19. Mas eles não se importam, porque são golpistas, e vão continuar agindo da mesma forma.

– Há um mês atrás, senadores golpistas brasileiros foram visitar seus correligionários em Caracas.

– Bom, aquilo foi para fazer um gesto à direita mais violenta da Venezuela, a que acha que pode governar no grito. Eles realmente acham isso, que podem recuperar o poder em todos os nossos países da mesma forma que fizeram no passado. Eles foram os que governaram no nosso continente durante cem anos e ainda têm a mesma mentalidade autoritária, intervencionista, essa mentalidade pró-imperialista. Mas enfim, aqui estamos nós, para continuar derrotando essas manobras, e vamos derrotá-las.

– Você vê instabilidade no Brasil?

– Vemos uma grande força popular no Brasil, e se for desafiada ela vai reagir. Nós dissemos aqui que se tocam a Dilma, se tocam o Lula, o povo vai defender e vai triunfar.

Cuba

O automóvel oficial aguarda o presidente na Esplanada dos Ministérios, a ampla avenida do centro brasiliense, e Maduro avança sobre o tapete vermelho, pelo corredor feito de Dragões da Independência – possivelmente sufocados debaixo desses pesados chapéus metálicos dourados.

– Você me permite algumas perguntas a mais? Por exemplo, sua opinião sobre a retomada do diálogo entre Cuba e Estados Unidos.

– Muito bem… eu acho excelente. Uma grande conquista, uma grande vitória da Cuba revolucionária de Fidel. Se manteve de pé o tempo inteiro, e no final o imperialismo teve que reconhecer esse fracasso histórico.

– Isso contribui para a estabilidade na Venezuela?

– A estabilidade na Venezuela nós temos que sustentar a partir das nossas próprias forças, porque o império quer nos destruir. Bom, assim já está bem…

– Presidente, espera, o que o presidente Obama lhe disse na Cúpula das Américas (em abril no Panamá)?

– (indo embora) Ele (Obama) disse que deveria ser realista com respeito à Venezuela, nós somos uma realidade, eles não podem nos apagar, porque somos uma realidade, um projeto de inclusão que está bastante vivo.

Tradução: Victor Farinelli

Fonte: Carta Maior

http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/-Os-filhos-da-Operacao-Condor-sao-agora-os-da-Operacao-Abutre-/6/34048

Anúncios

Deje su comentario - Deixe seu comentário - Leave your comment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s