Beto Almeida: “O povo cubano resistiu por décadas ao isolamento e venceu. Cuba se tornou um país importantíssimo no mundo tanto na área da saúde e na educação. Cuba nunca precisou abrir mão de seus princípios para se reestabelecer no mundo”

Mais de meio século depois da Revolução Cubana comandada por Fidel Castro, os presidentes estadunidense e cubano anunciaram a reaproximação diplomática entre os países.

Barack Obama e Raul Castro começaram as conversas para a reaproximação em reuniões secretas há 18 meses. Mediada pelo Canadá e pelo papa Francisco, as conversas levaram à libertação de prisioneiros que ambos os países mantinham.

Para Beto Almeida, jornalista e conselheiro da Telesur (canal de TV pública da América Latina), a reaproximação é uma vitória do povo cubano e uma grande derrota do imperialismo.

“O povo cubano resistiu por décadas ao isolamento e venceu. Cuba se tornou um país importantíssimo no mundo tanto na área da saúde e na educação. Cuba nunca precisou abrir mão de seus princípios para se reestabelecer no mundo”, avalia.

Integração

Todos os países latino-americanos condenam o bloqueio econômico a Cuba. Várias novas frentes de integração foram tomadas na última década, entre elas a Comunidade dos Estados Latino Americanos e Caribenhos (Celac), que incluiu Cuba em seus países membros.

Essa nova ideia de integração regional, desenvolvida pelos governos de esquerda e centro-esquerda da região, foi importante para que os Estados Unidos aceitassem abrir o diálogo diplomático com Cuba, de acordo com Almeida.

“A América Latina fez o contrário do que os Estados Unidos fizeram com Cuba durante todo esse tempo. Chamaram para construir junto uma política regional independente e colocaram o país no mapa da América Latina. O porto de Mariel, por exemplo, é reflexo dessa estratégia geopolítica. Com ele, Cuba se aproximará muito de Brasil e China e dinamizará a sua economia”, disse.

 Próximos passos

A abertura do diálogo feita nesta quarta-feira não significa que o embargo econômico dos Estados Unidos contra Cuba terá fim. Para isso, o Congresso estadunidense teria que votar o fim das leis Torricelli e Helms-Burton. No entanto, a iniciativa significa um primeiro passo para que as relações econômicas voltem ao normal.

“Claro que muitos debates ainda vão acontecer, mas a pressão sobre a direita obscurantista estadunidense para aprovar o fim do embargo vai aumentar. Esse é o caminho”, finalizou.

Por Bruno Pavan

Anúncios

Deje su comentario - Deixe seu comentário - Leave your comment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s