Burgueses

Por Nicolás Guillén


No me dan pena los burgueses vencidos.
Y cuando pienso que van a darme pena, aprieto bien los dientes y cierro bien los ojos.


Pienso en mis largos días sin zapatos ni rosas.
Pienso en mis largos días sin sombrero ni nubes.
Pienso en mis largos días sin camisa ni sueños.
Pienso en mis largos días con mi piel prohibida.
Pienso en mis largos días.


—No pase, por favor. Esto es un club.
—La nómina está llena.
—No hay pieza en el hotel.
—El señor ha salido.
—Se busca una muchacha.
—Fraude en las elecciones.
—Gran baile para ciegos.
—Cayó el Premio Mayor en Santa Clara.
—Tómbola para huérfanos.
—El caballero está en París.
—La señora marquesa no recibe.


En fin, que todo lo recuerdo.
Y como todo lo recuerdo,
¿qué carajo me pide usted que haga?
Pero además, pregúnteles.
Estoy seguro
de que también recuerdan ellos.


Tomado de La rueda dentada, en Obra poética 1920-1972, La Habana, Instituto Cubano del Libro, 1972
.

Fonte: Iroel Sánchez

Começa hoje na Venezuela 17ª Cúpula dos Não Alinhados

HOJE, terça-feira, 13 de setembro, começa na Ilha Margarita, Venezuela, a 17ª Cúpula do Movimento dos Países Não Alinhados (Mnoal), o segundo maior foro do mundo, formado por 120 integrantes de pleno direito, que representam quase as duas terceiras partes dos membros da Organização das Nações Unidas.

Até o próximo domingo, 18 de setembro, a paz será o reclame principal dos debates previstos em três segmentos consecutivos: Reuniões de Altos Funcionários, Encontro de chanceleres e Cúpula de chefes de Estado e de Governo.

Pela quarta ocasião a América Latina será sede deste encontro multinacional e a Venezuela será o terceiro país da área que assuma sua presidência; pois Cuba assumiu a direção em dois momentos (1979 e 2006) e uma vez a Colômbia (1995).

A designação da Venezuela como presidente do Mnoal significará um momento sem precedentes na diplomacia regional e será um golpe às tentativas da direita internacional de isolá-la politicamente, porque será o terceiro mandato de organismos multilaterais que a nação sul-americana detenha de maneira simultânea, além do Mercosul e a Unasul.

Solidariedade contra o bloqueio e o terrorismo

A abertura da exposição fotográfica ‘Solidariedade vs. Bloqueio’ constituiu uma clara evidência para lembrar a injusta prisão que sofreram os Cinco Heróis, apreendidos em 12 de setembro de 1998 e liberados pela voz unânime daqueles que exigiram sua liberdade durante mais de uma década em Cuba e no mundo.

As fotos, exibidas na sede havanesa do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), flagram as ações desenvolvidas por amigos solidários do mundo para apoiar a Revolução Cubana nos projetos de desafios como a Caravana dos Pastores pela Paz, e as brigadas Venceremos e Juan Ríus Rivera, integradas por cidadãos estadunidenses e de Porto Rico que reclamam seu pleno direito de viajar a Cuba sem pedir licenças ao Departamento do Tesouro. Continuar lendo

Enquanto houver bloqueio, haverá debate nas Nações Unidas

Photo: Cubaminrex

Apresentação do Relatório de Cuba sobre a Resolução 70/5 da Assembleia Geral das Nações Unidas, intitulado ‘Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos de América contra Cuba’, pelo ministro das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, perante a imprensa nacional e estrangeira presente em Havana, no MINREX, em 9 de setembro de 2016, “Ano 58º da Revolução”.

(Tradução da versão estenográfica do Conselho de Estado)

• Moderador.— Encontram-se presentes um total de 66 correspondentes de 34 meios de imprensa estrangeiros de 18 países, além dos representantes dos principais órgãos da mídia nacional.

Este comparecimento está sendo transmitido ao vivo pelos canais Cubavisión, Cubavisión Internacional e Telesur, bem como por Radio Habana Cuba e Radio Rebelde, e na Internet através do canal YouTube, no site http://www.cubacontrabloqueio.cu.

Continuar lendo

Colaboradores cubanos reafirmam fidelidade à Venezuela em comemoração pelo 26 de Julho

Os colaboradores cubanos da saúde, o esporte, a educação, a cultura e outras missões sociais, na Venezuela, comemoraram nesta cidade o Dia da Rebeldia Nacional, no que representou um ato de reafirmação solidária e compromisso de fidelidade à nação de Bolívar.

A poucos metros da estátua lendária de El Libertador, dezenas de colaboradores, diplomatas e convidados nacionais membros de grupos de solidariedade com Cuba, fizeram com que vibrasse o Teatro Principal de Caracas, em uma gala artística que misturou, na evocação, artistas de ambas as nações.

Em palavras alusivas à significação histórica da data, o dirigente da coordenação das missões cubanas, Jacinto Gómez, exaltou que as motivações dos colaboradores para comemorar com júbilo o dia 26 de Julho, derivam-se do cumprimento cabal de tarefas prioritárias da revolução Bolivariana; como a ampliação da cobertura de saúde primária aos 100% da população venezuelana e a extensão do programa educativo Robinson II, a fim de alcançar a sexta série mediante o vínculo do estudo e da produção. Continuar lendo